Memórias Paroquiais da Vila do Alandroal e Seu Termo (1758)




Recomendar livro a um amigo
Colaboração com a entidade: Câmara Municipal do Alandroal

Sinopse:

(...) Estávamos então em pleno Século da Luzes. Predominava a objectividade e o espírito racionalista, a consciência de civilização, o desejo de prestígio cultural. Relativamente à História assiste-se a um aumento da curiosidade científica e crítica em relação ao passado, verificando-se uma tendência para racionalizar, metodizar e laicizar a história. Os académicos têm consciência da carência de memórias históricas portuguesas e da falta de base científica das histórias anteriores. O culto do documento, do inventário e do rigor científico desenvolve novos métodos de trabalho como por exemplo o recurso a inquéritos enviados directamente “à fonte” pretendendo-se assim recolher informações “exactas e expurgadas de fantasia” de acordo afinal com as exigências da época. As “Memórias Paroquiais de 1758” são o resultado dessa prática setecentista de inquérito. O objectivo deste “esforço administrativo” era obter um maior conhecimento do território. Com o terramoto ocorrido no dia 1 de Novembro de 1755, ficaram sepultados, senão mesmo queimados, a maior parte dos manuscritos resultantes dos primeiros inquéritos setecentistas (...). ************************************************************* Designam-se normalmente por “Memórias Paroquiais” o conjunto de respostas produzidas pelos párocos aos inquéritos setecentistas elaborados entre 1721 e 1758, cujos manuscritos foram posteriormente organizados num conjunto de 44 volumes que se encontram actualmente na Torre do Tombo. “Memórias” por serem assim designadas na altura, as produções escritas, de carácter científico, ou literário ou destinadas a tratar acontecimentos ou informações referentes à época. “Paroquiais” por terem sido dirigidas aos párocos, uma vez que, eram aqueles que seguramente sabiam ler e escrever, e também por se referirem à paróquia que estes tinham à sua responsabilidade e da qual dariam as devidas informações. O primeiro inquérito foi promovido pela Academia Real da História, em 1721. O segundo pela Secretaria de Estado e o Pe. Luís Cardoso em 1732. O terceiro por ocasião do terramoto em 1755 (também conhecido por “Inquérito Sismológico”). E por último o de 1758, o mais divulgado, promovido pela Secretaria de Estado dos Negócios Interiores do Reino e o Pe. Luís Cardoso.

Índice:

Introdução

1. Memórias Paroquiais: o que são?
1.1. Os Inquéritos Setecentistas
1.1.1. O Inquérito de 1721, promovido pela Academia Real da História
1.1.2. O Inquérito promovido pela Secretaria de Estado em 1732
1.1.3. O Inquérito promovido após o terramoto de 1755
1.1.4. O Inquérito de 1758, promovido pela Secretaria de Estado dos Negócios do Reino em colaboração com o Pe. Luís Cardoso
2. As Memórias Paroquiais do Alandroal
3. Critérios e normas de transcrição paleográfica
4. Os Inquéritos
4.1. Inquérito de 1732
4.2. Inquérito de 1758
5. As Respostas
Dicicionário Geográfico – Alandroal
Idem, Capelins de Baixo
Idem, Capelins de Cima
Memórias Paroquiais – Alandroal
Idem, S. Brás dos Matos
Idem, Juromenha
Idem, Vila Real
Idem, Rosário
Idem, Santo António
Idem, Santiago
Idem, Terena

Bibliografia


A AUTORA:

Isabel Alves Moreira nasceu em Lisboa em 1964. É licenciada em História pela Universidade Aberta e especializada em “Direcção de Segurança” pela mesma Universidade. Dedica-se à investigação histórica em tempo parcial. Profissionalmente exerce funções numa Instituição Privada de Solidariedade Social, onde coordena, entre outras, as áreas de “Património”, “Gestão de Qualidade” e “Segurança”. Como investigadora, tem publicado alguns artigos em revistas da especialidade e é co-autora do livro “Testamento de Catarina Pires Folgada − 1408”.

Detalhes:

Ano: 2013
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 104
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-330-9
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
15/12/2019
ALCUNHAS DE MARVÃO, de Teresa Simão
LANÇAMENTO: dia 15 de Dezembro (dom.) às 15h00, em Santo António das Areias – Marvão. Apresentação: Prof. Doutor Jorge Oliveira

14/12/2019
O CAVADOR QUE LIA LIVROS NO TEMPO DE SALAZAR, da autoria de Francisco Cantanhede
LANÇAMENTO: dia 14 de Dezembro (sáb.), às 15h00, na Casa do Alentejo, em Lisboa. Apresentação: Aurora Rodrigues (Jurista e ex-presa política)

10/12/2019
UM RANGER NA GUERRA COLONIAL – Guiné-Bissau (1973-74), da autoria de José Saúde
LANÇAMENTO: dia 10 de Dezembro (3.ª feira), às 21h30, em Beja

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99