Discurso do Bastardo

Ensaio ficcionado




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Não quero autoridades que mandem em mim nem nos outros. Quero compreender. Quero viver num mundo que ame compreender. Quero aprender a ser sábio na companhia dos meus próximos, também sábios. E democratizar a prosperidade do ser. E libertar os peões presos na tábua de xadrez. A inteligência cultiva-se em nós e entre nós. Cumpre-se na tábua de xadrez do mundo que, afinal, não é nem tábua nem xadrez mas, sim, mar liberto. ¶ (Até acontecer esse momento de compreensão democraticamente criada e partilhada, fico à espera à porta. Escavo a terra. Olho para o horizonte. Respiro mais fundo que as pedras por mim pisadas. Aprendo a falar a língua dos cães. Abeiro-me da minha ignorância como se fosse um sintoma e também a minha única luz. Afinal, ela conduzir-me-á pela mão para fora da caverna antiga. ¶ Na água que bebo ao pé da caverna, vejo o reflexo ténue de um corpo luminoso. Talvez seja um candeeiro. Talvez não. Ou talvez seja, na verdade, um sol ainda por inventar. ¶ Não sei. Vou ver.) ******************************************************* We fall short of reaching the real, the realization of freedom, the early morning hours of utopia. We always fall short. We always fall short of understanding the necessity of freedom. We always fall short of understanding the risk of giving up. We always fall short of apprehending the possible. (Freedom is the apprehension of the possible.) We always fall short of dwelling in the real. We always fall short of realizing that the real is the only ground, the only eternity on earth, the only meal. ******************************************************* We always fall short. / We always fall. / We always. / Always. / We.

Índice:

(11) Nota Introdutória

(21) Writing/Escrever
(Vários tópicos entre os quais: Escrevo: O corpo do cão da minha infância; Quanto ao ser humano; Forget the illusion of literature; Writing naturalizes uto-pia; Solilóquio do bastardo tísico; Prometheus and modernity; If and when I write in controlled brushfires of prose or in flashes of conceptually circumscribed lyricism; Someone spoke these words at the gates of dogma; Regarding the imperceptible assembly of writers at work in humanity; Pequeno exercício de escrita ou lição de estilística: a retórica, a percepção e o fenómeno; A escrita nunca é uma troca de informação como a efectuada nos ecrãs do mundo; Writing elucidates. Three perspectives; Whatever it is, it is written or present in the light; Concerning writing and speaking; Writing is the bloodhound; Daí que, ao contrá-rio dos dogmáticos e dos guardiões da tradição, eu encare o legado da tradição como encaro o do mito; In praise of Franz Kafka; Writing, like being itself, demands what we cannot give; Em torno da escrita; The writer lives and dies in exile; Oração matutina e vespertina)

(49) Thinking, Erring, Rethinking/Pensar, Errar, Repensar
(Vários tópicos entre os quais: Where unreason reigns; You condemn me?;The bastard rereads the story of Cain and Abel; Bastard utopia. The bastard’s utopia; Utopia appears at the crossroads of home and exile; In modernity, owing to a deficit of self-criticality, thought has undermined its essential purpose; Imagining and speaking in utopia; We are the vessels; If we could string every word; Self--interest (vários textos); Cultura: o jardim e o jejum (apontamentos); Civilização (apontamentos); Civilizational botanica; O acto e o estado de pensar; Lições de Alberto Caeiro; Compreender um pouco como funciona o mundo não garante nenhum estado de felicidade; A percepção do real que nos é humanamente apreensível; We think our words have eyes and ears; Truth is not relative; instead, it is relational; The difference between moral culpability in need of faith-fed salvation and ethical growth is the difference between…; O bastardo comenta a narrativa de Adão e Eva recentemente expulsos do seu pretenso Paraíso; A technê é o nosso Jardim do Éden; A modest proposal (or gentle polemic): religion misreads being; faith misreads mind; Against the denouncers of the politically correct (understood to reflect the language of justice and reason). However, when not accompanied by systemic change, the politically correct falls short of the politically sane; Hate is loud; Fascism and the coffee cup; We must curate our consciousness; Language is necessary; it is also insufficient; History transforms by way of epiphanies; Technê with poiesis: the craft of weaving with the weaving of being; Those who mock identity, identity politics and social justice champions seek to impose their own identity politics; A fact is not a settled certainty; The fascistic renaming of reality; What is natural piety?; Modernity (notes): the carceral, the exuberantly carceral; How to decouple consciousness from the logic of coercion?; Tradition has no foundational precedence over the growth of consciousness; Religion is a veil… ideology is a wall… truth is a gun; A curtain blows in the breeze; “The medium is the message”; Dystopia claims that it is utopia, but it is utopia blind and enraged; We have always been a mind in a metaphysical fishbowl; Na Universidade…; What humans do under fascism; Authentic education demands the creation of a different kind of hunger; Fascism loves all its children to death; O fascista não é inteligente mas, antes, meticuloso; É tão estranho que uma parcela do universo…; Ora, se não há nenhum porquê nem nenhum para quê, que nos resta fazer neste entretanto? Resta-nos transformarmo-nos em quê se somos tão-só isto?)

(145) Being, Becoming, Living/Ser, Devir, Vida
(Vários tópicos entre os quais: We have all been lied to since birth; Quanto ao inglês que, na actualidade, falo e escrevo; In praise of Diogenes of Sinope; What is left for hominoid evolution to accomplish on earth?; Concerning romantic love; Concerning what Fernando Pessoa has so far taught me about being, becoming and living; A sensação é a Tabela Periódica da totalidade, i.e., o real; Ficamos, portanto, aquém da totalidade; Somos observadores, participantes e testemunhas daquilo que compreendemos mal; O mal nunca reconhece a magnitude dos seus crimes; Pensando bem…; To create one’s master and then to forget that one ever had a master; On natural language and code; We fall short of reaching the real, the realization of freedom, the early morning hours of utopia; I hear voices in my head; Não quero autoridades que mandem em mim nem nos outros; Em torno dos canalhas (e restante companhia tirânica); Why I am not a so-called conservative or neoliberal; Como filho bastardo de tudo e de todos; Em torno dos exilados, bastardos e marginais; Elogio das moscas a voarem em minha casa; Elogio dos transsexuais; What does it mean to be “modern”?; We so-called moderns are not at the forefront of the new; On se masque pour se démasquer; Somos seres híbridos; A half-naked body that I’ve never touched receives a massage from a masseur that I’ve never met in a city that I’ve never visited; Em torno da Escola e da Ex-cola; O ser humano define-se também pelo relacionamento que estabelece com os sistemas de poder; We have no excuse; We cannot speak of time because we do not belong to time: we belong to storytellers; The so-called technological singularity is nihilism; A sociedade opera-se a várias velocidades, but so does consciousness itself. I speak? No. We speak: we are polyglot and babelic. “We” speaks through my throat; Musings following our watching … (as well as on our being a) Ghost in the Shell; Desmaterializar a história até se fundir com a noosfera numinosa (qual o fumo do tabaco de Álvaro de Campos a turvar o cosmos) ou, alternativamente, realizar a utopia no aqui-e-agora da própria história?; Life does not progress toward perfection; Everyone… Anyone… Babel…; Somos criaturas inacabadas; We are perhaps in the era of final kindness and valedictory hospitality…)

(211) Reading/Ler
(Vários tópicos entre os quais: O poema é pesquisa; Quanto ao livro e à rede digital, ou, nas entrelinhas do livro, texto e hiper-texto; “The medium is the message”, afirma Marshall McLuhan; Alberto Caeiro brings language to a state of phenomenological minimalism; Alberto Caeiro, as Noah before him in an earlier text; Quanto à saúde ao alcance da nossa espécie bastarda, ou, elogio de Alberto Caeiro; I have seen children struck daily in the head by childhood itself; Interrogo-me novamente; Dialogue is unarmed; ideology is armed; O animal depende do «sim»; The science of verse begins; A metáfora não é um conceito falhado, tosco ou primitivo; I watch a young boxer; Elogio da cebola (1); Elogio da cebola (2); In praise of the onion (3); Atente-se no deslize semântico próprio da linguagem humana; For Pessoa, history is a whistle-stop; Deslumbramento e vazio em La vida es sueño (drama barroco estreado em 1635) de Pedro Calderón de la Barca (1600-1681), alienista da modernidade; Em torno da técnica e da arte; Na modernidade; Em torno do poema “Primeira foto de Hitler” de Wisława Szymborska; Give me metaphor; Em torno de Jorge de Sena; Concerning knowledge, community and the I-Thou. An apocryphal dialogue between Mary Wollstonecraft Shelley and Percy Bysshe Shelley; Regarding Alberto Caeiro; A lição de Alberto Caeiro; Excerpt from an unpublished biography of Alberto Caeiro: Caeiro Must Die)

(313) Seeing/Ver (Vários tópicos entre os quais: In praise of Goya’s Black Painting El perro or Perro semihundido; Following the example of Diogenes of Sinope; In praise of shit; A arte não faz do mundo um cadáver dissecado e desmembrado pelo olhar especializado; A Queda mítica não findou. Nunca finda; Um moderno tardio – o bastardo – contempla Paisagem com a Queda de Ícaro (circa 1560) de Pieter Bruegel; What is the difference between the so-called reality show and classic Greek drama?; Regarding Géricault’s Le radeau de la Méduse; In the Wachowskis’ trilogy Matrix; Nada mudou. O paradigma não mudou…)

(339) Despedida

(343) Elogios



* * * * *


O AUTOR:

CHRISTOPHER DAMIEN AURETTA doutorou-se pela Universidade da Califórnia, Santa Bárbara, EUA. Lecciona na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade NOVA de Lisboa onde organiza seminários em Pensamento Contemporâneo e na área de Ciência e Literatura, focando, sobretudo, exemplos da representação estética da modernidade técnico-científica.

As suas publicações recentes incluem: “Cem dias à sombra da Torre de Babel, Novas crónicas pedagógicas”; “Em torno do pensar na Torre de Babel do Século XXI (micro-ensaios e afins)”; “Ten Essays; Thinking in Babel (poesia)”; “Elogio do Intervalo, Um docente à janela do século XXI”; “Cine(gra)mas, Entre a Escrita e o Ecrã”; “Missivas da Noosfera”; “A Mala Anarquista”; “Diz-Me Tu Quem Eu Sou, Diálogo com Paulo Freire” e “Autobiografia de uma Sala de Aula, Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (com João Rodrigo Simões)”.

Detalhes:

Ano: 2021
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 348
Formato: 23x16
ISBN: 9789895660483
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
30/07/2021
UNION HISPANOMUNDIAL DE ESCRITORES outorga o Escudo de Prata a Edições Colibri
EM RECONHECIMENTO PELO SEU APOIO À LITERATURA

25/05/2018
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

19/03/2018
A Colibri na Rádio Horizonte (92.8)
Clique no menu "Links" para aceder ao canal do Youtube

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99