Saberes Nómadas

Conhecimento, Património e Valores Sociais




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Eduardo Esperança

Sinopse:

Saberes nómadas foi a expressão que me ocorreu para nomear este trabalho muito depois dele se ter chamado “migrações do saber”. Na altura, e após um sério trabalho em volta do Património, Valores e seus condicionamentos, a navegação das leituras no intervalo das aulas empurrava-me para duas galáxias que se fertilizavam e podia ir observando com algum fascínio; o início da expansão da internet e dos conteúdos online e, ao mesmo tempo, como resultado, o sonho Borgeano tornado realidade do nascimento da grande biblioteca global. Esse sonho concretizado arrastava com ele algumas temáticas inadiáveis e que me atravessavam o espírito todos os dias sempre que me sentava ao computador e acedia a essa “biblioteca”. Isto explica um pouco estas duas vertentes que parecem, mas não são paralelas: de um lado o pensar a Cultura e a Memória, ao mesmo tempo como grandes objectos sociológicos, com todos os factores e vertentes que nos explodem na cara com a introdução de novos gadgets e modos de pensar mobilizados pelo objecto concreto como pelo software que o energiza. Por outro lado, ensaiar alguma capacidade de recuo e análise dos substratos que podem ainda suportar os quotidianos da vida no espaço público, como aquilo que ainda podemos nomear como reserva de conhecimento que se vai disseminando com a ajuda da rede um pouco por todo o lado. ******************************************************** Hoje, a relação com os objectos, a constituição dos sujeitos, etc, encontra essencialmente duas sociologias: as condições da experiência contemporânea reduzem os objectos existentes ao número dos que se mostram e aparecem ou evoluem no espaço público. Estes são os objectos que observo – essas duas sociologias. Uma delas é a ciência dos livros de texto, dos manuais e sebentas, que se estabiliza a dois níveis: nos livros e no estudo (dos que são estudados) e se actualizam na escola no modo como são trazidas ao presente e à percepção. A outra ciência técnica é a dita profissional, supostamente aplicada e abusada, que envolve, por exemplo, as sondagens, as estatísticas, os levantamentos e os estudos exploratórios, etc, com os quais vão, por exemplo, os sociólogos fazendo pela vida. (...) Na Idade Média era Deus, ou melhor, os seus agentes na terra. Era uma experiência unificada (por Deus) e calma, que em parte do Alentejo ainda tem a felicidade de viver. Tudo isto até que um “herege” chamado Gutemberg inventou a imprensa e estragou tudo: inventou a imprensa, inventou os pro¬testantes, inventou os iluministas, as indul¬gências baratas. Inventou o que mais tarde se veio a chamar a fragmentação da experiência – fragmentação por campos de acção mas, especialmente, fragmentação por campos de legitimação dos saberes. Ora, os campos de le-gitimação dos saberes, são precisamente o es¬paço cada vez mais virtual onde se decide a se actualiza o que está direito e o que está torto.

Índice:

Apresentação

Saberes Nómadas e modelos de legitimação do conhecimento

O mapeamento possível no mundo dos possíveis

A Pesquisa e o Problema da Representação

Representar os novos lugares

Investigar a Experiência Social

Memória e substâncias do Património – arquivar imagens em movimento

O Património intangível e os dilemas em volta de clássicos e novos modelos de preservação

Objectos de Memória

Objectos Indutores e Formação do Valor – o caso Foz Côa


AUTOR:

EDUARDO JORGE ESPERANÇA é Professor no Departamento de Sociologia da Universidade de Évora e investigador no cic.digital e cics.nova.uevora. Lecciona, entre outras, Sociologia da Comunicação e dos Media, Sociologia da Cultura, Sociologia do Património Cultural, Epistemologia das Ciências Sociais, e Sociologia da Técnica.

Detalhes:

Ano: 2017
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 190
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-726-0
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
23/06/2021
ROSA COUTINHO – Prisioneiro na República do Congo, da autoria de Carlos de Almada Contreiras
APRESENTAÇÃO: dia 23 de junho (4.ª feira), às 18h00, na casa do Alentejo, em Lisboa. Apresentação: Capitão-de-Mar-e-Guerra Jorge Lourenço Gonçalves

22/06/2021
CAMPO MAIOR NO CENTRO DE UM CONFLITO INTERNACIONAL, da autoria de Rui Rosado Vieira
APRESENTAÇÃO: dia 22 de junho (3.ª feira) às 18h30, no Quartel do Carmo, em Lisboa. apresentação: General Rui Manuel Clero (General-Comandante-Geral da GNR)

20/06/2021
CALAMENTO, da autoria de Romeu Correia
APRESENTAÇÃO: dia 20 de junho (Domingo) às 16h30, no Centro Comercial “O Pescador”, em Costa da Caparica

19/06/2021
SERTÓRIO – uma história de Vila Nova, da autoria de João Luís Nabo
LANÇAMENTO: 19 de Junho (sáb.), pelas 17h00, no Cine-teatro Curvo Semedo, em Montemor-o-Novo. Apresentação: Doutora Teresa Fonseca e do Doutor Pedro Coelho

17/06/2021
ROSA COUTINHO – Prisioneiro na República do Congo, da autoria de Carlos de Almada Contreiras
LANÇAMENTO: dia 17 de junho (5.ª feira) às 18h00, no Instituto Hidrográfico, em Lisboa. Apresentação de Vice-Almirante José Luís Gonçalves Cardoso

31/12/2019
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

19/03/2018
A Colibri na Rádio Horizonte (92.8)
Clique no menu "Links" para aceder ao canal do Youtube

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99