Folhas Soltas de uma Vida

Memórias de uma Mulher do Século XX




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Laura Lopes

Sinopse:

Crescem as lutas dos trabalhadores por todo o país com grande participação das mulheres que, forçadas pela precária situação económica em que viviam, a roçar a miséria, baixos salários dos mari¬dos e constante subida do custo de vida, acorrem ao mercado de trabalho, o que satisfaz os interesses dos capitalistas pois os salários das mulheres eram, e continuam a ser, inferiores aos dos homens. A expressão, o Princípio “salário igual para trabalho igual” foi sempre uma quimera, mesmo quando inserta na lei, por cuja efectivação gerações sucessivas têm lutado. E os filhos? Que fazer aos filhos? Que vêm ao mundo quando “Deus quer”. Ficam sozinhos entregues a si próprios ou a uma vizinha ou à solta na rua.” ¶¶¶ (…) A mãe aproveita ainda o magro calor da cama mas tem que levan¬tar-se para fazer o café com que o marido e os filhos acalentarão o estômago. Uma bata preta cobre-lhe o corpo descarnado e chato. A trança negra desgrenhada e solta cai-lhe ao longo das costas curvadas pelo sofrimento, pelos muitos filhos que o seu ventre gerou, pelo áspero vento do seu viver. As mãos ossudas e escuras, deformadas pelo trabalho. O rosto envelhecido e pálido, coberto de pequenas rugas que lhe escondem a boca sem dentes, de lábios finos, outrora rosados e sensuais, conserva porém a energia de uma forte vontade. E os olhos de azeviche cheios de vida rebelde, de um brilho farejante que nos atravessa, dominam tudo: o marido e os filhos. ¶ A luz de petróleo confunde os gestos e as vozes. O cheiro do café fervente na cafeteira anima os corpos gelados e enfraquecidos. As tijelas esvaziam-se, saboreando gostosamente o líquido negro que os aquenta. Mastigam apressadamente um pedaço de pão escuro. E ei-los prontos para percorrer a pé os quilómetros que os separa da fábrica e da oficina. (…)

Índice:

1 – Infância e juventude
Nos anos trinta
Nos anos quarenta e cinquenta
Recordações de Sintra
... E outras

2 – Despistar a pide e outras emburilhadas

3 – Era assim ...

4 – No banco dos réus
Da Graça até às Mónicas
Estática
Gatuna
Era uma vez
O meu filho está outra vez preso
A mulher do casaco cor de rosa
Criminosos?
O refractário
Instantâneos

5 – Professora e alunos
Peripécias com alunos

6 – “A mulher e a lei” – mulheres ...

7 – Quatro mulheres pela ordem em que as conheci
Maria Isabel de Aboim Inglez
Maria Lamas
Olívia Maria
Felicidade Charneca

8 – Páginas do meu diário
A costureirinha

9 – Actividade internacional
Recordar o congresso dos povos para a paz – 60 anos passados
Conselho Mundial da Paz – 1974
Congresso da União das Mulheres Francesas – 1974
Visita à Polónia – delegação do CPPC
URSS – delegação do CPPC. 1976
António Maidana – Genebra
De novo em Sofia – 1980
Conferência de Atenas – 1982
Assembleia Mundial pela Paz e a Vida contra a Guerra Nuclear – 1983
Líbia – 1984
Ano Internacional da Paz – 1986
“Gernika 37-87”
Encontro Internacional a favor de Zonas Livres de Armas Nucleares – 1988
Divagando – Helsinquia, Praga, Terezin, Lidice ...
CUBA – Aquí no se rinde nadie!

ADENDA



A AUTORA:
Laura Lopes – Professora do ensino secundário e advogada. Foi consultora jurídica do Ministério da Comunicação Social junto da Comissão de Saneamento da Emissora Nacional e, posteriormente, do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil. Colaborou no “Notícias da Amadora” e no “Diário de Lisboa”, neste, até ao seu desaparecimento, abordando o tema “situação jurídica da mulher casada” e, após o 25 de Abril, os problemas da luta pela paz e a corrida aos armamentos. Colaborou ainda nas revistas “Jornal Magazine da Mulher”, na década de 1950, no “Modas e Bordados” e “Mulheres” com a rubrica “A mulher e a Lei”. Em 1977 publicou um livro: “A mulher, a Família e a Lei”. Realizou múltiplos colóquios e sessões, por todo o país, sobre os mesmos assuntos. ¶ Foi uma das fundadoras do Movimento Democrático de Mulheres, em 1968, e do Conselho Português para a Paz e a Cooperação, em 1973. ¶ Como advogada dedicou-se ao Direito de Família e Direito Criminal, tendo defendido presos políticos.

Detalhes:

Ano: 2017
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 468
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-640-9
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
04/09/2017
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Entre 31 de Julho e 1 de Setembro não podemos satisfazer quaisquer encomendas, por motivo de Férias do pessoal. A partir de 4 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

02/09/2017
FRANCO ATIRADOR – Textos de Cidadania de um Alentejano de Estremoz, da autoria de Hernâni Matos
LANÇAMENTO: Dia 2 de Setembro de 2017 (sábado), às 16h00, na Igreja dos Congregados, em Estremoz

24/08/2017
O BARRANQUENHO - Língua, Cultura e Tradição, da autoria de María Victoria Navas
LANÇAMENTO: Dia 24 de Agosto de 2017 (5.ª feira), às 21h00, no Museu Municipal de Arqueologia e Etnografia, em Barrancos

28/07/2017
VILA BOIM, da autoria de Rui Jesuíno
LANÇAMENTO: Dia 28 de Julho de 2017 (6.ª feira), às 19h00, em Vila Boim

28/07/2017
AO CAIR DA NOITE, da autoria de Albertino Bragança
LANÇAMENTO: dia 28 de Julho (6.ª feira), às 17h30, Auditório UCCLA, Lisboa. A apresentação contará com a presença de Dr. João Viegas de Abreu; Dr.ª Sheila Khan e Dr.ª Inocência Mata. Apontamento musical pelo cantor santomense Filipe Santo

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99