Compreender é um Espanto

Articulando Filosofia com Ciências




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Fernando Belo

Sinopse:

“É preciso estilhaçar o todo”, proclamou Nietzsche contra Hegel. Está feito, é essa a nossa situação, condenados a saberes feitos de estilhaços especializados. Um filósofo que busque saber o que são os humanos só encontra na sua tradição sujeitos e consciências herdadas da alma, contra o corpo e o mundo, sem família ou sexo ou trabalho ou língua. Reclamando-se duma corrente originada na fenomenologia (Husserl, Heidegger e Derrida) e da descoberta pelo químico Ilya Prigogine (Nobel 1977) da irreversibilidade do tempo na produção de entropia de estruturas dissipativas (estabilidades instáveis), esse filósofo teve que se voltar para outras descobertas científicas do último século que desbravaram as dimensões humanas em falta. Aí encontrou dois tipos de obstáculos: como articular biologia, neurologia, ciências sociais, linguística e psicologias, além da física e da química prévias, se os seus paradigmas são irredutíveis uns aos outros; não tendo competência para aceder aos respectivos laboratórios e dando-se conta de que as ciências têm dificuldades em entender as razões pelas quais necessitam desses laboratórios, donde a dificuldade de organizar teoricamente o que se passa fora das fronteiras deles. Apercebeu-se de que o pensamento dos cientistas sofre, sem que eles saibam, de um erro vindo da oposição filosófica tradicional entre pensamento e realidade, entre o sujeito (interior) predominando sobre o objecto (exterior), erro herdado do dualismo platónico-cristão alma / corpo, mundo. Trata-se de propor a correcção fenomenológica desse erro como ajuda intelectual dum filósofo que compreendeu que essas descobertas científicas do século XX permitem desenhar os mapas de possibilidades dos fenómenos indeterminados do universo terrestre em suas cenas de circulação fora dos laboratórios, na chamada ‘realidade’.

Índice:

I – A ALIANÇA DAS CIÊNCIAS COM A FILOSOFIA
A) Filosofia com Ciências ou Fenomenologia geral
B) Porque é que as ciências precisam de laboratório?
Determinação e indeterminação
Os três estratos dos textos científicos
Paradigmas, epistemas, fenomenologia
Cientistas, filósofos e a ‘realidade’
Regras e aleatório

II – UM PRECONCEITO FILOSÓFICO NO PARADIGMA
DAS BIOLOGIAS
A) Selecção natural e lei da selva (diálogo com Teresa Avelar)
A selecção natural é um mecanismo?
A lei da selva comanda as anatomias animais
Passar do ‘ambiente’ à cena ecológica
Contrariar o determinismo genético na compreensão de evolução
Conclusão fenomenológica: uma biologia de seres no mundo
B) Cérebro, mente e mundo (diálogo com António Damásio)
Na Neurologia como na Biologia
Nós, animais, somos seres no mundo
Onde há neurónios, há mente
O cérebro é um órgão biológico e social
A questão do filósofo: o que é o humano?
Conclusão fenomenológica: compreensão e linguagem relevam
de evoluções diferentes
C) A evolução entre biologia e bioquímica, entre Darwin e Marcello
Barbieri (uma questão de lógica em fenomenologia)
A perspectiva biológica da evolução segundo Darwin
A perspectiva bioquímica da evolução segundo M. Barbieri
A questão de lógica entre as duas perspectivas
Uma perspectiva fenomenológica da evolução
A cruel origem da espécie humana

III – A ARTICULAÇÃO DOS SABERES
A) A articulação dos saberes com Prigogine: entropia e homeostasia
A nova aliança entre filosofia e ciências
A produção de entropia
Entropia dos animais
Entropia das sociedades humanas e seus usos
Entropia da fala
Entropia da escrita e cosmopolitismo: a literatura espiritual e de saber
Entropia dos laboratórios da Física do século XVII
Entropia das máquinas modernas e da electricidade
Entropia da revolução, do antigamente à modernidade
Entropia da escola
Entropia da moeda e do mercado
Resumindo
Entropia dos astros e dos átomos
Energia, força e entropia
E a questão da unificação da Física?
A entropia e a flecha do tempo contra o determinismo
P. S. Redução e irredutibilidade
2.º P. S. A questão existencial do(s) sentido(s) da vida que se vive
B) Da sexualidade como excesso e como alteridade
A filosofia ocidental é assexuada
A alimentacionalidade, uma economia do mesmo
A sexualidade como desperdício
O interdito do incesto domina o excesso e prolonga a alteridade
Oscilação e sublimação
Sexualidade e lei segundo a psicanálise
O erotismo e a morte segundo Bataille
C) Conclusão fenomenológica: exemplos de Filosofia com Ciências
Primeira fragilidade das sociedades de casas: a morte
Outra fragilidade das sociedades de casas: o jogo das ‘vontades’
(envies)
A linguagem duplamente articulada dada pela tribo
Biologia e antropologia: articulação

IV – TRÊS CIÊNCIAS SOCIAIS
A) A psicanálise, uma ciência diferente das outras
A neurofisiologia, ciência do cérebro que não do discurso
Uma semiótica experimental do discurso neurótico na sua relação à sexualidade
As resistências como índice de ‘real’
Pertinência e dissimulação do falar
Somos por vezes loucos durante a noite
Oscilação e identidade
Desligar o que permanece ligado algures
Retiro e regulação do aleatório
Uma ciência travêssa
Post-scriptum sobre os limites ontoteológicos da Psicanálise, que ela todavia transgride
O que é isso de ontoteologia?
Retorno à questão da ontoteologia e da sua transgressão
B) O que é que há fora do texto? Nada. Tudo.
Uma guerra contra a ‘bêtise’
A imanência das inscrições
Comutação linguística e conotação semiótica
Uma redução muito fecunda
Retorno a Parménides: fora do texto não há ‘nada’ e há ‘tudo’
Admirável Maurice Gross
Comparação de antropologias através das línguas
C) A Economia Política por vir enquanto ciência terapêutica
As ‘leis económicas’ dependem dos contextos sociais
Ciência social ou ciência da sociedade?
A lei da selva e a lei da guerra
O comércio global contra a guerra global
“O capitalismo prospera; a sociedade degrada-se”
A moeda e a redução científica em economia...
... escondem a política dentro das escolhas económicas
A cegueira estrutural duma ciência social que se toma por ciência da sociedade
A tarefa da economia política: controlar a lei da guerra dos capitais

V – FILOSOFIA COM CIÊNCIAS
recuperar a dimensão filosófica das ciências suspensa por Kant
O retorno às próprias coisas
As invenções da definição filosófica e do laboratório científico
Ontoteologia (Heidegger) e logocentrismo (Derrida)
Husserl e a redução
Heidegger e a (pro)dução
Derrida e a re(pro)dução
Retornar à ‘realidade’ após o laboratório
Definição de sociedade
O ‘dentro’ construído a partir de ‘fora’
A desconstrução: mesmo e não-idêntico, indissociável e inconciliável
Ousia e duplo laço
Os princípios dos dois tipos de matéria: o átomo e a célula
Os duplos laços compostos
A cena do conhecimento: tribal e cosmopolita
A liberdade como enigma
Breve história da verdade ocidental: os Gregos
Breve história da verdade ocidental: os Europeus
Bibliografia



O AUTOR

FERNANDO BELO: Até aos 40 anos. Duas licenciaturas, em engenharia civil (IST, 1956) e teologia (Paris, 1968), com 12 anos de clérigo entre elas, tendo tido um maravilhoso professor de filosofia, o P. Honorato Rosa. Esta época saldou-se com a publicação de Lecture matérialiste de l’évangile de Marc. Récit, pratique, idéologie (1974), trad. castelhana, alemã e americana, articulando uma leitura textual da narrativa (R. Barthes) à estrutura social da Palestina da época (Althusser, Bataille), no contexto do estruturalismo francês, aliança da filosofia com ciências sociais e humanas. Após os 40 anos. O livro, em tempos de revolução, abriu as portas do departamento de Filosofia da Faculdade de Letras de Lisboa (1975-2003), docente de Filosofia da linguagem e doutorado com tese sobre epistemologia da semântica saussuriana, (1989). Da Linguística às outras Ciências, esse ensino saldou-se pela publicação de Le Jeu des Sciences avec Heidegger et Derrida, (2 vol. 2007), entre outros livros, como Heidegger, pensador da Terra (2012), Seja um texto de paixão Onde se mostra que sem a Filosofia não haveria Europa e dos blogues Filosofia com Ciências (textos de fundo) e Filosofia mais Ciências 2 (textos de ocasião).

Detalhes:

Ano: 2018
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 232
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-794-9
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
19/10/2019
DESENHO INFANTIL, da autoria de Orlando Fialho
LANÇAMENTO: dia 19 de Outubro de 2019 (Sábado), às 18h15, no Holiday Inn Lisbon-Continental, em Lisboa. Apresentação: Dr.ª Maria Fernanda Alexandre

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99