O Assassino que Amava o Coração das Pedras




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Este romance fala de emoções antigas, como o medo e o amor, e relata a história de um rapaz, solitário e desencontrado do próprio destino, cuja identidade, natural ou mística, real ou sobre-humana, permanece por esclarecer. A busca incessante do inatingível, leva-o a tornar-se o mais frio e malévolo dos homicidas. Assim, cruzando os seus dias com uma jovem, que o faz lembrar a irmã – única pessoa que verdadeiramente amara e que verdadeiramente o amara – acaba por assassiná-la, numa encenação macabra e ao mesmo tempo singela. ¶¶ A ação decorre na atualidade, entre Portugal, cidades de Lisboa e Porto, e os Estados Unidos, Washington D.C. ********************************************************** É preciso resumir a história em doze linhas, disse o editor à autora... ¶¶ Quando nasceu o bebé, ninguém se lembrou de lhe dar um nome. Mas dos gritos de horror de sua mãe, ainda hoje, tantos anos depois, muitos se lembram, no Porto. Depois, a criança desamparada fez-se amiga das pedras e cresceu. Penumbras, muitas, em seu redor. Quem era? Narrador, verdugo, mártir? Ao que vinha? Se tanto amava a morte, por que tanto amou então Cecília? O seu rosto oval, as reminiscências, a freira, tardes estremunhadas. Mais vale ser franca. Não pode resumir-se esta história, pode apenas falar-se das figuras que a habitam, pululando ao redor das palavras, sendo elas próprias as palavras. Figuras audazes, umas psicologicamente bem estruturadas, outras vagas, quase inertes. Umas generosas, determinadas, hábeis, outras perversas, povoadas de sombras, de almas de outrora, de desregramentos e de vícios, ou então de virtudes. Outras ainda, o nada, simulacros de decesso e de ausências. Há, também, o personagem principal. O único pertinente, revelador, que define, no enredo, os acasos, o princípio e o fim, que justifica ações e sorrisos, que tece as analogias, os dotes, os punhais, o frio da morte e o azul dos lábios. O medo.

Índice:

PRIMEIRA VIDA 1965-1972

O Dr. Hermenegildo Coutinho
Eram as pedras o seu refúgio
Uma família verdadeiramente (in) feliz
Pequenas coisas e visões do futuro
Alberto, o folclore português e os dois “p’’ universais
Coisas da política
O desgosto e a sementinha
A solidão
Animais
A tia Zulmira
A casa das formigas
O passeio
Smile
Teresinha
Refúgio
Aurélia
A aparição


SEGUNDA VIDA 1972 1983

“O que é então o tempo?’’
A tirania do precedente e os ratos mortos
Coisas sem fundamentico
Em busca de virtudes e de brios
O Tonico e a cerussite
A alma das rochas
Uma estátua com frio e a profecia cumprida
Mofas do destino a que não se puderam aceder
Uma nuvem de rosas a invadir os espíritos
A estranha sensação de não ser de parte nenhuma
Chão de Maçãs
Carmelitas
A ala dos arcos
O carteiro


TERCEIRA VIDA 1983 2000

Extravio
O cardeal
A coleção
A chegada
13 de Janeiro de 1998
Uma decisão radical
Rigoletto
Vozes e vozes
Pedro pai


AS TRÊS MULHERES – OBSERVAÇÃO

A protagonista
A rapariga de olhos fechados
Horas do jantar
Master of Arts e saudade
Questões essenciais e Noemi
Mount Vernon
É só uma palavra, preciso muito de lhe falar
Carícias
Elizabeth Taylor – o passado é o futuro
O sofá de couro
Balões
O professor
Ainda era cedo
A sentinela que lhe vigiava o sono
As raparigas com tranças à volta da cabeça
Mais valia desistir
Uma bonança falaz
O nome da freira


O ENCONTRO 2002

Uma visita de Lisboa
Um jardim com roseiras, buganvílias e azáleas
Outra vez o longo corredor
Por que razão foi ele adotado?
A menina
Lá vem a nau catrineta
Evocando 1
Temo nos portado bem ou nem por isso?
Evocando 2
Evocando 3 – a face azul a descoberto


* * * * *


AUTORA:

PAULA LEAL DA SILVA nasceu em Lisboa, a 16 de junho de 1958. Fez parte dos seus estudos primários em Angola, Benguela, onde viveu até aos 8 anos de idade, quando regressa a Lisboa. Licenciou-se em Direito, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em 1981, tendo sido advogada e exercido funções docentes, na mesma Faculdade. Seis anos mais tarde ingressou na carreira diplomática. Serviu, como diplomata, na Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia, em Bruxelas, na Representação Permanente de Portugal junto do Conselho da Europa, em Estrasburgo, na Embaixada de Portugal em Moçambique e na Embaixada de Portugal nos Estados Unidos da América. Foi Embaixadora de Portugal em São Tomé e Príncipe e, não residente, no Gabão e Guiné Equatorial. Foi também Embaixadora de Portugal na Turquia e, não-residente, no Azerbaijão, Geórgia e Turquemenistão. Atualmente é Embaixadora de Portugal na Croácia.

Detalhes:

Ano: 2022
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 442
Formato: 23x16
ISBN: 9789895661428
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
31/08/2022
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Encerramos para férias entre 1 e 31 de Agosto, por isso não podemos satisfazer quaisquer encomendas neste período. A partir de 1 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto! Para LER também em AGOSTO!

30/07/2021
UNION HISPANOMUNDIAL DE ESCRITORES outorga o Escudo de Prata a Edições Colibri
EM RECONHECIMENTO PELO SEU APOIO À LITERATURA

25/05/2018
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

18/03/2018
A Colibri no Youtube
www.youtube.com/channel/UCh1qOgVfD928sohgDxoDSGA/videos

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99 ___________________________________ [O telefone n.º 21 796 40 38 deixou de estar ao serviço da Colibri]