Tributo aos Doentes com VIH/SIDA do Hospital de Curry Cabral

no 40.º aniversário da epidemia




Recomendar livro a um amigo
Autoria: João Machado

Sinopse:

No 40.º aniversário da epidemia por VIH/ /SIDA e com a pandemia por COVID-19 com actividade mais reduzida, mas ainda incerta, também posso dizer, como Donald Kotler, gastroenterologista de Nova Iorque: “talvez, apenas tive o azar de ter que encarar os portões do inferno duas vezes na carreira”. ¶ Não hão-de deixar de se acumular análises e testemunhos sobre a actual pandemia por COVID-19, a qual, infelizmente, polarizada pela rivalidade geopolítica, desencadeou um impacto brutal na economia e uma disrupção sem paralelo nas estruturas de saúde. ¶ A epidemia por VIH/SIDA, da qual fomos testemunhas, ocorreu igualmente à escala planetária – atingiu 60 milhões de indivíduos, desde o seu início, e, até ao final de 2019, já tirou a vida a mais de 32 milhões de pessoas, em todo o mundo – mas teve características muito diferentes. Na 1.ª década, foi devastadora. Suscitou muitos medos e teve muitos culpados estapafúrdios. Na sua maioria, foram doentes mais jovens os mais atingidos. ********************************************************* Os primeiros anos da epidemia por VIH/SIDA e os que se seguiram foram de intenso envolvimento com doentes portadores duma doença completamente nova, da qual fomos testemunhas e com a qual tivemos de aprender e de crescer. Quando olho para trás e revisito os anos amargos da primeira década, sinto que, apesar dos medos, fomos fiéis ao juramento de Hipócrates, procurando acolher e tratar os doentes com a preocupação prioritária de evitar a sua discriminação. Contrariámos muitos sentimentos de hostilidade contra os doentes, elegendo como alvo, desde muito cedo, os comportamentos de risco e abolindo o estigma de grupos de risco. ¶ A primeira década foi muito dura. Os nossos doentes eram um “gueto”, as opções terapêuticas escassas ou nenhumas. (…) Não tínhamos acesso a material descartável, e as seringas e as agulhas que utilizávamos eram esterilizadas em panelas de água a ferver, aquecidas por bico de Bunsen”. (…) Éramos apenas médicos em graus diferentes da carreira. (…) Diariamente, havia muita urticária para com os comportamentos de risco! Mas havia também perseverança e humanismo.

Índice:

Introdução

1. Os primeiros doentes. “Um receio irracional. Era uma pena ver doentes tão jovens condenados a morrer”

2. Do primeiro doente directamente a cargo, à evocação plausível do primeiro doente com SIDA, no Hospital de Curry Cabral, em 1979

3. O incendiário

4. Onde se fala do Carnegie Hall

5. A tragédia chega aos doentes hemofílicos

6. Infecção por VIH2. Um doente singular

7. O tecto da enfermaria caiu em cima do primeiro doente com Bartonella quintana

8. Uma infecção oportunista com recidivas frequentes

9. Imagens que perduram

10. Infecção aguda pelo VIH, sem comportamento de alto risco?

11. Sobreviver à Toxoplasmose cerebral e quase morrer do seu tratamento

12. O 1.º Congresso Nacional da SIDA, em 1993

13. Não houve acampamento cigano à porta do Pavilhão F

14. Mãe seropositiva dá à luz bebé seronegativo

15. Quando a terapêutica desfigura o doente

16. Biópsia renal e infecção por VIH: vencida mais uma barreira

17. O lado escuro do sucesso da terapêutica antirretrovírica

18. A terceira epidemia: o primeiro caso de tuberculose multirresistente

19. Tuberculose tête-à-tête

20. Tuberculose extensivamente resistente. A adesão heróica chegou tarde

21. Quando a suspeita de gravidez leva à tuberculose pélvica

22. Falar da infecção por Mycobacterium avium-intracellulare, mas também do Cardeal José Policarpo e de uma senhora muito especial

23. “Pensar VIH”, em múltiplos cenários

24. CMV: o vírus da cegueira

25. Só a biópsia hepática pós-mortem estabeleceu o diagnóstico.

26. Da antiguidade aos nossos dias: o primeiro caso de co-infecção por VIH/Lepra

27. Infecção por VIH: do crepúsculo à transplantação hepática, quase 25 anos depois

28. O erro aconteceu

29. O vírus JC que não dá tréguas

30. Alguém que nos exigia mais do que estávamos dispostos a dar

31. O primeiro caso de linfogranuloma venéreo ano-rectal, em Portugal

Comentário final


* * * * *


AUTOR:

JOÃO MACHADO – transmontano, nasceu nas Minas de Jales, concelho de Vila Pouca de Aguiar, numa família de 8 irmãos. Concluiu a licenciatura em Medicina em 1981, ano da eclosão da infeção por VIH/ /SIDA. Foi chefe de serviço de Medicina interna e graduado de Doenças Infecciosas no Hospital de Curry Cabral, onde trabalhou de 1982 a 2017, tendo também sido Director de Serviço de Urgência (2003-2006), Director Clínico (2010-2011) e consultor na Transplantação Hepática (2012-2017).
Está desde 2017 no Hospital Fernando Fonseca, actualmente na Direcção do Serviço de Urgência.
Tem 3 filhos.

Detalhes:

Ano: 2021
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 152
Formato: 21x15
ISBN: 9789895661275
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
30/07/2021
UNION HISPANOMUNDIAL DE ESCRITORES outorga o Escudo de Prata a Edições Colibri
EM RECONHECIMENTO PELO SEU APOIO À LITERATURA

25/05/2018
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

19/03/2018
A Colibri na Rádio Horizonte (92.8)
Clique no menu "Links" para aceder ao canal do Youtube

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99 ___________________________________ [O telefone n.º 21 796 40 38 deixou de estar ao serviço da Colibri]