Práticas Artísticas e Participação Política




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Hugo Cruz

Sinopse:

As práticas artísticas participativas e comunitárias reúnem um interesse crescente na atualidade. Num momento de particular fragilidade para as democracias e para a nossa vivência coletiva, este livro procura cruzar os contributos da arte, da participação e da política. Com base em estudos, inéditos pela sua dimensão e profundidade, desenvolvidos pelo autor em Portugal e Brasil nos últimos quatro anos, envolvendo 332 pessoas de 23 grupos teatrais, são discutidos os elementos fundamentais destas práticas, bem como as potencialidades e fragilidades que os processos criativos encerram na sua ligação à participação cívica e política. ******************************************************** (...) Hugo Cruz aborda várias questões fundamentais para o discurso internacional das artes aplicadas e comunitárias (...). Não conheço nenhum outro estudo empírico de artes comunitárias tão alargado e executado de forma tão completa. ¶ [EUGENE VAN ERVEN (Universidade Utrecht, Holanda) in Prefácio] ******************************************************** Por mim, gosto de andar pelos caminhos do experimentalismo, pelas roturas estéticas e pelo fragmentarismo, entretenho-me com o contemporâneo, com o «jogo dos possíveis» (...). Por isso me interesso pelas práticas artísticas comunitárias e a sua relação com a participação cívica e política. Por isso me interessa o trabalho de Hugo Cruz, seja no terreno próprio dos lugares de brasa, que tão bem conhece, seja agora neste «arrojo» de trazer aquelas práticas para o mundo académico, onde as emoções e o voluntarismo cedem diante do dogmático e do teorético, impondo um compromisso estrito com o rigor do conceptual e do racional. ¶ [ÁLVARO LABORINHO LÚCIO (escritor) in Posfácio]

Índice:

Agradecimentos
(ato de protagonizar – dar visibilidade a todos os envolvidos na criação)

Prefácios
(ato de estranhar – impressões resultantes do olhar externo de terceiros sobre a obra; produzir significados distanciados que apresentam a obra)
Isabel Bezelga / Isabel Menezes / Eugene van Erven

Resumo
(ato de sintetizar – a sinopse; o essencial)

Abstract
(act of synthesizing – the synopis; the essential)

Resúme
(acte de synthèse – le synopsis; l’essentiel)

INTRODUÇÃO
(ato de despoletar – prólogo; apresentação do porquê, o quê, o onde e o quem da criação)

I. CONSTRUÇÃO DOS ALICERCES TEÓRICOS
(ato de inspirar – pesquisa de inspirações e despoletadores de processo; construção de quadros teóricos e de grelhas distintas que estimulem o pensamento divergente e convergente; trabalho que remete para a construção de um “situar”)
1. As práticas artísticas comunitárias – da riqueza da sua hibridez
1.1. Para uma definição das práticas artísticas comunitárias
1.2. As principais linhas de investigação das práticas artísticas comunitárias
1.3. A dimensão cultural
1.3.1. Conceções de cultura
1.3.2. Da democratização à democracia cultural
1.3.3. A democracia cultural e as práticas artísticas comunitárias
1.4. A dimensão artística
1.4.1. A arte contemporânea e a sua relação com a política
1.4.2. A construção da arte comunitária
1.4.3. A viragem da arte comunitária para a arte participativa
1.4.4. As visões do artivismo e da “arte em comum”
1.4.5. O teatro e as suas características comunitárias como opção desta investigação
1.5. A dimensão educativa
1.5.1. A pedagogia crítica, libertadora, engajada e do oprimido
1.5.2. A educação popular
1.6. A dimensão comunitária
1.6.1. Noções de comunidade e implicações para as práticas artísticas comunitárias
2. A participação – ou o risco da “panaceia” das democracias
2.1. A participação cívica e política – arena da democracia, cidadania e diversidade
2.1.1. As questões centrais da participação cívica e política
2.2. A qualidade da participação
2.3. A participação cultural e artística ou a participação nas práticas artísticas comunitárias

II. ABORDAGEM METODOLÓGICA
(ato de idealizar – planificar a ideia; opções de métodos de trabalho para a criação)
1. Situar metodologicamente a investigação
2. Objetivos, questões e desenho da investigação
3. O estudo de caso múltiplo
4. Métodos mistos: o encontro educação-arte e qualitativo-quantitativo
4.1. A abordagem qualitativa
4.1.1. Entrevistas semiestruturadas e grupos focais
4.1.2. A observação participante e as notas de terreno
4.1.3. As diversas fontes documentais
4.1.4. A ressignificação dos dados
4.2. A abordagem quantitativa
4.2.1. Inquéritos por questionário
5. A análise de dados
6. Critérios e opções tomadas na identificação dos grupos e participantes
7. Caracterização dos contextos, grupos teatrais e participantes
7.1. Os contextos e as suas políticas
7.2. Grupos e participantes dos estudos
8. O lugar do investigador – dimensões éticas e tomada de decisões

III. OS ESTUDOS
(ato de conceber – improvisar; o corpo e a palavra na criação; ensaiar)
1. Breve descrição e articulação dos estudos
2. Para uma identificação dos elementos definidores das práticas artísticas comunitárias - Estudo 1
2.1. “Para uma Tipologia da Participação nas Práticas Artísticas Comunitárias: a experiência de três grupos teatrais no Brasil e Portugal”
3. As práticas artísticas comunitárias e a qualidade da participação cultural e artística na ação de grupos teatrais em Portugal e no Brasil – uma abordagem qualitativa – Estudo 2
3.1. “A qualidade da participação em grupos teatrais brasileiros no contexto das práticas artísticas comunitárias”
3.2. “Práticas artísticas comunitárias e participação cívica e política na ação de três grupos teatrais em Portugal”
4. Elementos das práticas artísticas comunitárias e as suas ligações com a participação cívica e política no contexto de grupos teatrais em Portugal – uma abordagem quantitativa – Estudo 3
4.1. Análise da dimensionalidade das escalas: fatorial exploratória e análise de consistência interna
4.1.1. Escala de motivações pessoais para a criação
4.1.2. Escala de conceções de teatro
4.1.3. Escala da qualidade da participação cultural e artística
4.1.4. Escala da qualidade da participação
4.1.5. Escala do ambiente positivo para a criação
4.1.6. Escala de efeitos percebidos globais
4.2. Análise descritiva de itens e escalas e discussão de resultados
4.2.1. Motivações pessoais para a criação
4.2.2. Conceções de teatro
4.2.3. Metodologias teatrais
4.2.4. Qualidade da participação cultural e artística
4.2.5. Ambiente positivo para a criação
4.2.6. Efeitos percebidos na participação cívica e política
4.2.7. Acesso às práticas e espaços de criação e apresentação
4.2.8. Qualidade da experiência de participação no grupo
4.2.9. Efeitos percebidos globais
4.3. Análise correlacional de itens e escalas e discussão de resultados
4.3.1. Correlação entre elementos da qualidade da participação cultural e artística e a qualidade da experiência de participação no grupo de teatro
4.3.2. Correlação entre elementos da qualidade da participação cultural e artística e as motivações pessoais para a criação
4.3.3. Correlação entre a qualidade da participação cultural e artística e os itens dos blocos espaços de criação e apresentação (19, 20 e 21)
4.3.4. Correlação entre a qualidade da participação cultural e artística e o ambiente positivo para a criação
4.3.5. Correlação entre a qualidade da participação cultural e artística e os itens do bloco 14 referentes às metodologias teatrais
4.3.6. Correlação entre a qualidade da participação cultural e artística e as conceções de teatro
4.3.7. Correlação entre a qualidade da participação cultural e artística e os efeitos percebidos globais
4.4. O que prediz os resultados da participação em grupos de teatro no contexto das práticas artísticas comunitárias?
4.5. Conclusões
4.6. Em conclusão a este capítulo

IV. REFLEXÕES FINAIS
(ato de apresentar – levar a cena; o espetáculo; o confronto com o público)
1. Elementos definidores das práticas artísticas comunitárias
2. Qualidade da participação cultural e artística
3. Conceções de teatro e suas dimensões
4. Relação entre práticas artísticas comunitárias e participação cívica e política
5. Um último exercício de síntese
6. Criar presente e, por isso, futuro

POSFÁCIO
(ato de estranhar – impressões resultantes do olhar externo de terceiros sobre a obra; produzir significados distanciados que sintetizam e comentam a obra)
Álvaro Laborinho Lúcio

BIBLIOGRAFIA
(ato de nomear – identificar e organizar os contributos e referências da criação)


* * * * *


AUTOR:

HUGO CRUZ Cruzou Campanhã e o Bonfim enquanto crescia, a janela de um 6.º andar com as ruas sem saída das avós, tias/os e primos/as. Dos percursos paralelos e simultâneos na psicologia comunitária e da criação artística encontrou respiração no que era o próximo do humano. Reconheceu-se nos movimentos associativos e na ação cívica e política. Neste percurso doutorou-se na Universidade do Porto e fez uma pós-graduação em Teatro Social e Intervenção Sócio-Educativa na Universidade Ramon Llull. Publica e leciona nos contextos nacional e internacional nas áreas da “criação artística e espaço público”, “práticas artísticas comunitárias e participação cívica e política”, “arte e política” e “políticas culturais”. É investigador no CIIE-Universidade do Porto e CHAIA-Universidade de Évora. Integra a equipa de avaliação externa da Iniciativa PARTIS / Art for Change – Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação La Caixa. Assume a direção artístico do MEXE_Encontro Internacional de Arte e Comunidade e de diversos projetos teatrais em coconstrução com comunidades locais. Desenvolve consultadoria em diferentes projetos nacionais e internacionais (e.g. municípios, festivais e fundações). É cofundador da Pele, Núcleo do Teatro do Oprimido do Porto e Nómada.
www.artandparticipation.com.

Detalhes:

Ano: 2021
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 350
Formato: 23x16
ISBN: 9789895661060
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
26/10/2021
ARQUEOLOGIA, PATRIMÓNIO E MUSEUS – Meio Século de intervenção Cívica e Cultural, da autoria de Luís Raposo
LANÇAMENTO: dia 26 de outubro (3.ª feira), às 18h30, na Casa do Alentejo, em Lisboa. Apresentação: Nuno Pacheco (Jornalista)

23/10/2021
ALENTEJO (S) – Imagens do Ambiente Natural e Humano na Literatura de Ficção, coord. de Ana Cristina Carvalho e Albertina Raposo
LANÇAMENTO: dia 23 de outubro (sábado), às 16h00, Casa Fialho de Almeida em Cuba. Apresentação: Professor Vítor Encarnação

30/07/2021
UNION HISPANOMUNDIAL DE ESCRITORES outorga o Escudo de Prata a Edições Colibri
EM RECONHECIMENTO PELO SEU APOIO À LITERATURA

25/05/2018
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

19/03/2018
A Colibri na Rádio Horizonte (92.8)
Clique no menu "Links" para aceder ao canal do Youtube

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99