Representar o Saber

Os letrados na Cronística Medieval Portuguesa




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

O saber circulou ao longo de toda a Idade Média através dos livros. Mas não só. Foi também sendo adquirido, construído e partilhado essencialmente por homens que detinham o conhecimento da leitura, da escrita e muitas vezes uma formação escolar ou universitária. Os cronistas apelidaram-nos de letrados. Foi precisamente com esse adjetivo que incorporaram as suas representações entre as memórias do reino. E é aí que os encontramos junto dos círculos de poder, legitimando-os ou fazendo-lhes uma oposição que por vezes será apenas simbólica, mas que nalguns casos terá sido efetiva. Em todo o caso, apresentando sempre os caracteres de uma distinção social introduzida pelo saber. Um saber que possuíam e que os cronistas souberam plasmar nas suas letras. Interrogar o lugar do letrado na sociedade medieval e nos textos que esta nos legou é também, por isso, questionar a visão que temos hoje dessa mesma sociedade, dos seus textos e dos seus indivíduos.

Índice:

Prefácio
Aporia inicial
Introdução
1. Dos conceitos aos contextos: os letrados no tempo e no espaço das crónicas
1.1. Um vocabulário da distinção social
1.2. Tempos, espaços, contextos

2. A cronística como fonte
2.1. Entre as primeiras crónicas portuguesas e a memória letrada de Santa Cruz
2.2. Uma crónica trecentista a dois tempos
2.3. A primeira dinastia (re)vista no primeiro dia de julho da era de 1457 annos
2.4. Um tríptico em forma de espelho

3. Representações, paradigmas e antagonismos
3.1. Reis, letrados e reis letrados
3.2. Traços de uma composição
3.3. Entre a espiritualidade, o saber e a Coroa
3.4. Quadros de uma oposição

4. A idealização, ou variações em torno de um letrado ideal
4.1. Um modelo letrado visigótico: Julião de Toledo
4.2. Frey Bernaldo, Gilberto de Hastings e a Crónica de Portugal de 1419
4.3. João das Regras, o doutor ideal ou o futuro idealizado

5. Conclusão

Posfácio

Referências

A. Fontes
I. Fontes cronísticas
II. Fontes literárias
III. Fontes documentais
B. Dicionários e obras de referência
C. Estudos
Anexo A. Ocorrências do termo letrado

Índice onomástico

Detalhes:

Ano: 2020
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 164
Formato: 23x16
ISBN: 9789895660094
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
26/10/2021
ARQUEOLOGIA, PATRIMÓNIO E MUSEUS – Meio Século de intervenção Cívica e Cultural, da autoria de Luís Raposo
LANÇAMENTO: dia 26 de outubro (3.ª feira), às 18h30, na Casa do Alentejo, em Lisboa. Apresentação: Nuno Pacheco (Jornalista)

23/10/2021
ALENTEJO (S) – Imagens do Ambiente Natural e Humano na Literatura de Ficção, coord. de Ana Cristina Carvalho e Albertina Raposo
LANÇAMENTO: dia 23 de outubro (sábado), às 16h00, Casa Fialho de Almeida em Cuba. Apresentação: Professor Vítor Encarnação

30/07/2021
UNION HISPANOMUNDIAL DE ESCRITORES outorga o Escudo de Prata a Edições Colibri
EM RECONHECIMENTO PELO SEU APOIO À LITERATURA

25/05/2018
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

19/03/2018
A Colibri na Rádio Horizonte (92.8)
Clique no menu "Links" para aceder ao canal do Youtube

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99