Diplomacia Científica

Saber é Poder




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Jorge Aranda

Sinopse:

Existe um modelo ótimo de diplomacia científica e, em caso afirmativo, como pode o mesmo ser replicado em Portugal? Tendo por base esta pergunta de partida, este estudo analisa os conceitos operacionais da diplomacia científica e as abordagens estratégicas de vários países europeus à mesma, com um duplo objetivo, simultaneamente teórico e prático: contribuir para o aprofundamento desta temática recente e para o desenvolvimento de elementos que possam servir à definição de uma estratégia nacional neste domínio. ¶ Numa primeira parte, é explorada a diplomacia científica como vetor da política externa e a evolução histórica do seu conceito. Numa segunda parte, são examinados os objetivos, instrumentos e atores da diplomacia científica. E numa terceira parte são estudados o caso português e as boas práticas de Alemanha, Espanha, França e Suíça. ¶ ¶ ¶ “A diplomacia científica tem vindo a assumir uma relevância crescente, decorrente da necessidade admitida por cada vez mais Estados de proceder a adaptações da respetiva ação externa com vista a dar uma melhor resposta quer à cooperação internacional requerida por desafios globais de natureza técnica, quer à concorrência internacional movida por outros Estados, que pretendem reforçar o seu poder e influência, bem como por outros atores não-estatais que, não competindo necessariamente pelo poder, procuram influenciar a governação. (…) O objeto da diplomacia científica é, assim, caracterizado pela coexistência de dois elementos aparentemente antagónicos – cooperação e competição – também denominada por co-opetition ou coopetição.”

Índice:

Prefácio

1. Introdução

2. A diplomacia científica como vetor da política externa
2.1. Definição de diplomacia científica
a) Definição operacional
b) As três dimensões da diplomacia científica
2.2. Relação com outras vertentes da diplomacia
a) Diplomacia económica
b) Diplomacia povo-a-povo
c) Diplomacia pública
d) Outras vertentes da diplomacia
2.3. Evolução histórica da diplomacia científica
a) As Grandes Guerras
b) A Guerra Fria
c) O multilateralismo
d) O século XXI
e) O novo (des)equilíbrio de poderes

3. Operacionalização da diplomacia científica
3.1. A centralidade do papel dos Estados
a) Os Estados e o realismo
b) As organizações internacionais e o liberalismo
c) Os atores não-tradicionais e o construtivismo
3.2. A importância da definição de objetivos
a) Acesso
b) Promoção
c) Influência
3.3. A relevância dos instrumentos selecionados
a) Consórcios de colaboração científica
b) Acordos de cooperação científica
c) Estratégias de diplomacia científica

4. Estudo de casos
4.1. O caso alemão
4.2. O caso espanhol
4.3. O caso francês
4.4. O caso suíço
4.5. O caso português

5. Conclusão
5.1. Considerações teóricas
5.2. Recomendações práticas

Referências bibliográficas

Anexos

Quadro 1: Objetivos prioritários da Alemanha
Quadro 2: Objetivos prioritários de Espanha
Quadro 3: Objetivos prioritários de França
Quadro 4: Objetivos prioritários da Suíça
Quadro 5: Objetivos prioritários de Portugal



O AUTOR:

JORGE ARANDA é Mestre em Relações Internacionais pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Funcionário diplomático desde 1998, é atualmente Diretor dos Serviços para os Assuntos de Segurança e Defesa no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Antes tinha sido Adjunto Diplomático do Primeiro-Ministro e desempenhado a mesma função, em Governos anteriores, junto do Secretário de Estado dos Assuntos Europeus e do Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar. O seu último posto no estrangeiro foi o de Conselheiro de Defesa na Delegação de Portugal junto da NATO, em Bruxelas, depois de ter sido Encarregado de Negócios a.i. na Embaixada de Portugal em Helsínquia e de anteriormente ter exercido funções nas Embaixadas em Varsóvia, Berlim e Copenhaga.

Detalhes:

Ano: 2019
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 112
Formato: 21x15
ISBN: 9789896898168
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
23/06/2021
ROSA COUTINHO – Prisioneiro na República do Congo, da autoria de Carlos de Almada Contreiras
APRESENTAÇÃO: dia 23 de junho (4.ª feira), às 18h00, na casa do Alentejo, em Lisboa. Apresentação: Capitão-de-Mar-e-Guerra Jorge Lourenço Gonçalves

22/06/2021
CAMPO MAIOR NO CENTRO DE UM CONFLITO INTERNACIONAL, da autoria de Rui Rosado Vieira
APRESENTAÇÃO: dia 22 de junho (3.ª feira) às 18h30, no Quartel do Carmo, em Lisboa. apresentação: General Rui Manuel Clero (General-Comandante-Geral da GNR)

20/06/2021
CALAMENTO, da autoria de Romeu Correia
APRESENTAÇÃO: dia 20 de junho (Domingo) às 16h30, no Centro Comercial “O Pescador”, em Costa da Caparica

19/06/2021
SERTÓRIO – uma história de Vila Nova, da autoria de João Luís Nabo
LANÇAMENTO: 19 de Junho (sáb.), pelas 17h00, no Cine-teatro Curvo Semedo, em Montemor-o-Novo. Apresentação: Doutora Teresa Fonseca e do Doutor Pedro Coelho

17/06/2021
ROSA COUTINHO – Prisioneiro na República do Congo, da autoria de Carlos de Almada Contreiras
LANÇAMENTO: dia 17 de junho (5.ª feira) às 18h00, no Instituto Hidrográfico, em Lisboa. Apresentação de Vice-Almirante José Luís Gonçalves Cardoso

31/12/2019
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

19/03/2018
A Colibri na Rádio Horizonte (92.8)
Clique no menu "Links" para aceder ao canal do Youtube

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99