Percursos da Física e da Energia Nucleares na Capital Portuguesa

Ciência, Poder e Política, 1947-1973




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Júlia Gaspar

Sinopse:

A investigação em Física Nuclear, no âmbito universitário, precedeu e foi independente da emergência da Energia Nuclear associada à exploração de minas de urânio. O respetivo desenvolvimento foi espetacular, embora o sucesso de ambas assentasse na organização centralizada do apoio à investigação científica e tecnológica. ¶ O urânio, enquanto matéria prima da bomba atómica, acelerou a vitória da aliança anglo-americana na II Guerra Mundial, em 1945. A partir de 1947 sucedeu-lhe a Guerra Fria que infletiu o rumo da beligerância para a corrida ao armamento nuclear contra a União Soviética. Portugal foi então envolvido nesta contenda através da venda de urânio àquela aliança. Foram mobilizados investigadores e administradores de proveniência diversa na construção da Junta de Energia Nuclear, em 1954. A venda negociada do urânio teve como consequência a construção do Laboratório de Física e Engenharia Nucleares, inaugurado em 1961. ******************************************************** O Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT) tem por objectivo promover a investigação em História das Ciências e da Tecnologia de acordo com padrões científicos internacionais e contribuir para o desenvolvimento e consolidação desta disciplina em Portugal. Com este propósito, a Colecção CIUHCT pretende publicar trabalhos originais nas referidas áreas de investigação, dirigidos a um público académico diversificado, que possam, também, interessar a uma audiência mais vasta de leitores.

Índice:

Introdução

Capítulo 1. A Física experimental no começo da Guerra Fria, 1947-1952
1.1. Considerações preliminares
1.2. Fim de uma era
1.2.1 A demissão dos investigadores
1.2.2 O Centro de Estudos de Física, suas funções e primeiras actividades
1.3 Um novo ciclo no Laboratório de Física/Centro de Estudos de
Física
1.3.1 Julio Palacios e a nova liderança do Centro de Estudos de
Física
1.3.2 Continuidade da investigação em Física Atómica e Nuclear
1.3.3 Os projectos de Julio Palacios
1.4 Do Instituto Português de Oncologia ao Laboratório de Física
1.5 Um olhar sobre o advento da energia nuclear em Portugal
1.6 Considerações finais

Capítulo 2. Urânio: motor do envolvimento português no nuclear, 1947-1954
2.1 Considerações preliminares
2.2 O monopólio anglo-americano dos recursos uraníferos
2.2.1 Desentendimento entre britânicos e americanos
2.2.2 A corrida ao urânio
2.2.3 O Combined Development Trust para gerir o negócio do
urânio
2.3 Salazar e o urânio português
2.3.1 A relutância de Salazar em abrir as negociações
2.3.2 Uma negociação difícil e demorada
2.3.3 Propostas de alteração ao acordo
2.3.4 Guardar uma grande riqueza para o futuro
2.4 Lançamento do programa nuclear português
2.4.1 Os primeiros passos
2.4.2 Leite Pinto e a criação da Comissão de Energia Atómica
2.4.3 Viagens e luz verde à Comissão Provisória de Estudos de Energia Nuclear
2.5 Considerações finais

Capítulo 3. A Junta de Energia Nuclear: da emergência à
internacionalização, 1954-1961
3.1. Considerações Preliminares
3.2 Papel incubador dos Centros de Estudos de Energia Nuclear
3.3 Ulrich, britânicos e o urânio soberano
3.3.1 Prioridade ao plano de prospecção do urânio e viagens
3.3.2 Um país produtor explorado. O baixíssimo preço do urânio
3.3.3 Um impasse difícil de ultrapassar
3.4 Hegemonia americana e afirmação da Junta na cena internacional
3.4.1 Os átomos apaziguadores do terror nuclear
3.4.2 Portugal membro fundador da Agência Internacional de Energia Atómica
3.4.3 Conferências Internacionais de Energia Atómica para Fins
Pacíficos: um sucesso da cooperação científica internacional
3.4.4 O Acordo Bilateral com os Estados Unidos
3.5 O Laboratório de Física e Engenharia Nucleares em tempo de
construção
3.5.1 Equipamento do Laboratório
3.5.2 Construção e inauguração do Laboratório
3.6 Centrais nucleares: uma esperança adiada
3.6.1 Inclusão das centrais nucleares no II Plano de Fomento
3.6.2 Interesse do sector privado nas centrais nucleares
3.7. Considerações finais

Capítulo 4. Diferentes espaços de investigação nos primeiros tempos do nuclear: laboratório do Estado, hospital e faculdade, 1953-1961
4.1 Considerações preliminares
4.2 Um físico nuclear no Laboratório Nacional de Engenharia Civil
4.3 Aplicações de Física Nuclear no Instituto Português de Oncologia
4.3.1 Instalação e primeiras actividades do Centro de Estudos de
Física Nuclear
4.3.2 O Centro de Estudos de Física Nuclear em plena actividade
4.4 Novos tempos no Centro de Estudos de Física da Faculdade de
Ciências
4.5 Considerações finais

Capítulo 5. Fim da autarcia. Novos rumos durante os últimos anos do Estado Novo, 1961-1973
5.1 Considerações preliminares
5.2 Os desafios da segunda fase da Junta de Energia Nuclear
5.2.1 Uma esquina do desenvolvimento tecnológico sob a
presidência de Leite Pinto
5.2.2 Organizando e estruturando sob a presidência de Kaúlza de
Arriaga
5.2.3 A vocação empresarial da Junta de Energia Nuclear
5.2.4 O Laboratório de Física e Engenharia Nucleares em
actividade
5.3 Evolução da investigação no Centro de Estudos de Física da
FCUL
5.4 Sociedade Portuguesa de Física: a união profissional dos físicos portugueses
5.5 Considerações finais

Conclusão

Anexo I – Organograma da Junta de Energia Nuclear, 1958

Anexo II – Organograma da Junta de Energia Nuclear, 1968

Anexo III – Organograma do Laboratório de Física e Engenharia
Nucleares, 1961

Anexo IV – Organograma do Laboratório de Física e Engenharia
Nucleares, 1968

Siglas e Acrónimos

Fontes e Bibliografia
Fontes – Arquivos
Fontes – Bibliografia
Fontes electrónicas
Imprensa
Legislação

Detalhes:

Ano: 2019
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 356
Formato: 23x16
ISBN: 9789896898182
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
31/12/2020
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

04/04/2020
VIAGENS E COMENTÁRIOS DE UM TEMPO SEM TEMPO, da autoria de Otilina Silva
LANÇAMENTO: dia 4 de Abril (sáb.), às 16h00, na Casa do Concelho de Alvaiázere, em Lisboa. Apresentação: Luísa Nogueira

19/03/2020
JARDINS IMAGINÁRIOS, da autoria de Francisco Martins da Silva
LANÇAMENTO: dia 19 de Março de 2020 (5.ª feira), às 18h30, na Galeria SPGL, em Lisboa

08/03/2020
KOSOVO – A Incoerência de uma Independência Inédita, da autoria de Raul Cunha
APRESENTAÇÃO: dia 8 de Março (Sábado) às 15h00, na Delegação do Clube do Sargento da Armada – Feijó. Apresentação: Major-General Carlos Branco

06/03/2020
ANTÓNIO, EM PORTALEGRE CIDADE – Romance, da autoria de Carlos Ceia
LANÇAMENTO: dia 6 de Março (6.ª feira) das 18h00-19h30, Campus de Campolide, em Lisboa. Apresentação: Profª Doutora Ana Maria Martinho

05/03/2020
A NOITE MAIS LONGA DE TODAS AS NOITES, de Helena Pato
APRESENTAÇÃO (3.ª ed): dia 5 de Março (5.ª feira) das 18h00, na Associação 25 de Abril, em Lisboa. Apresentação: Prof.ª Doutora Luísa Tiago de Oliveira

29/02/2020
MUNDO(S) – Livros 7 – Coletânea de Poesia Lusófona
LANÇAMENTO: 29 de Fevereiro (sáb.), às 16h00, na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa. Apresentação dos autores e da obra por Ângelo Rodrigues

27/02/2020
SANTOS, HERÓIS E MONSTROS, da autoria de Carla Varela Fernandes
APRESENTAÇÃO: 27 de Fevereiro (5.ª feira), às 18h00, na Livraria Ferin, em Lisboa

22/02/2020
SANTOS, HERÓIS E MONSTROS, da autoria de Carla Varela Fernandes
LANÇAMENTO: 22 Fevereiro (sábado), às 16h00, Mosteiro se Santa Maria de Celas, em Coimbra. Apresentação: Ana Alcoforado

21/02/2020
ESTORIETAS VADIAS, da autoria de Eurico Figueiredo
LANÇAMENTO: dia 21 de Fevereiro (6.ª feira) às 18h30, na FNAC NorteShopping, Senhora da Hora (Porto). Apresentação: Luísa Feijó (tradutora) e Alexandre Alves da Costa (arquitecto)

20/02/2020
O ALENTEJO E A LUTA CLANDESTINA – António Gervásio um Militante Comunista, da autoria de Luís Godinho
LANÇAMENTO: dia 20 de fevereiro (5.ª feira), às 18h00, no Museu do Aljube, em Lisboa. Apresentação: Margarida Machado e Teresa Fonseca

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99