Seja um Texto de Paixão

Onde se Mostra que sem a Filosofia não haveria Europa




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Fernando Belo

Sinopse:

“O Ocidente e a Europa são, e apenas eles, no que tem de mais interior a sua marcha histórica, originalmente ‘filosóficos'. É o que atestam o nascimento e a dominação das ciências. É porque elas têm a sua fonte no que a marcha histórica do Ocidente europeu tem de mais interior, entenda-se o encaminhamento filosófico, é por isso que elas estão hoje em estado de dar à história do homem em toda a terra a sua marca específica.” (Heidegger) ¶¶¶ Dois motivos ligam entre si os ensaios aqui reunidos, escritos e quase todos publicados na década de 90. Os primeiros nove andam em torno do motivo de texto e de escrita, da paixão de ler, escrever, pensar, compreender. Vão todavia abrindo neles o segundo motivo que ocupará sobretudo os cinco textos finais: os incalculáveis efeitos da Filosofia fora dela. Em última análise, é a Europa como modernidade que é o seu grande efeito.

Índice:

1. DA GRÉCIA À EUROPA
Os meus mestres
O texto e a sociedade em que ele se escreve / lê
Sociedades de sagrado e sociedades de cultura

2. ‘DIFFÉRANCE’, ESCREVEU DERRIDA
Seja um texto de paixão
O triângulo poesia, filosofia, ciências
O jogo do ‘a’ e do ‘e’
Espaçamento e temporalização
A relação estrutural ao Outro
Linguagem como inscrição (trace) imotivada
O texto como dom de muitos

3. O ENIGMA DE FALAR, ESCREVER, PENSAR
Os gestos de fundação em Atenas e na Europa
O enigma dos enigmas: pensar com as palavras dos outros
Paradoxo e enigma

4. A FILOSOFIA É E NÃO É LITERATURA
Mitos e usos
A instituição da literatura nas margens
A definição como arma anti-literária
“Tudo o resto é literatura”
Heterogeneidade e heresia

5. CONTEXTO, PORTANTO RELATIVIDADE
Como a Filosofia grega inventou a alma fora do contexto
Como a Filosofia europeia inventou a ideia e o sujeito
A relatividade de Galileu e de Einstein
O sol anda ou eu é que sou louco?
Falar e pensar com as palavras dos outros
Transcendentalidade: não, mas quase

6. TREMOR DE TEXTO, COMO TREMOR DE TERRA
O terremoto de Lisboa e o de Galileu
Onde pararam as semióticas dos anos 60?
Violento é o acesso à fala
Transcendentalidade apagada, ou a loucura e a morte

7. PENSAR O MAL, A TRAGÉDIA, A CATÁSTROFE: ÉDIPO E SÓCRATES EM CONTRALUZ
As tragédias da casa de Édipo
A (não) tragédia de Sócrates
Bem e Mal são indissociáveis: a ben(mal)dição

8. KANT E ARISTÓTELES: FILOSOFIAS VIZINHAS EM CIVILIZAÇÕES CONTRASTADAS
Os gestos anti-relativistas de Atenas e da Europa
Duas civilizações: com energia biológica e com energia mecânica
A economia da representação: análise até ao elementar, depois síntese
A questão de Kant: como pensar o próprio Newton?
De Kant versus Aristóteles a Kant como Aristóteles

9. O EDIFÍCIO CONCEPTUAL ERIGIDO SOBRE ÁGUA CORRENTE
Os dois gestos sobre a linguagem, o de Occam e o de Nietzsche
A novidade deste texto de Nietzsche: a génese da linguagem
Retorno parcial à mesmidade de Parménides em três etapas
Paradoxo da verdade filosófica
Onde é que há conceitos filosóficos?

10. CONSTRUÇÃO E DESCONSTRUÇÃO DO MONOTEISMO OCIDENTAL
Do Monoteismo como excepção
Bíblia: a separação de Deus
Filosofia: a definição separa
Universalidade e tradução: a aporia da teologia cristã
Sem monoteismo não haveria Europa
Técnica: o retorno do separado
A morte de Deus
Os crentes
Apêndice – De como o Pentateuco começou pelo Deuteronómio

11. O SEGREDO DO ‘MILAGRE EUROPEU’ FOI A FILOSOFIA E A BURGUESIA PROTESTANTE
Terá sido ‘milagre’?
Grécia e Europa: semelhanças e diferenças
A obra da Europa: a composição da paisagem da modernidade
Três grandes traços do Renascimento europeu
O monoteísmo rasgado
O fim da Europa-civilização
O “milagre europeu”, entre economia e civilização filosófica
A ausência da burguesia em Eric Jones

12. O MARXISMO PRÉ-LENINISTA, AVALIAÇÃO DUMA HERANÇA (UMA LEITURA DO MANIFESTO DO PARTIDO COMUNISTA NOS SEUS 150 ANOS)
As grandes alterações históricas
A descoberta deslumbrada da inteligência da História
Quatro críticas ao 1.º capítulo do Manifesto
A abolição da propriedade privada
Economia e sociedade (sobre a proposição mais célebre do Manifesto: “a história de qualquer sociedade até aos nossos dias não foi senão a história de lutas de classes”)
Uma nova Internacional (Derrida)

13. DO DESEMPREGO COMO PROMESSA E COMO FLAGELO
A questão da promessa
Que pode querer dizer ‘promessa’ em história?
O escândalo: sucede como flagelo o que foi prometido
“Sejam realistas, façam o impossível”

14. MULHER E HOMEM, CASA E ALMA, LUCE IRIGARAY E PLATÃO
Um texto deliberadamente anti-pedagógico
A mulher que Freud mede pelo homem
A psicanálise é herdeira da filosofia masculina
A caverna-mãe-terra
Digressão pela composição da República de Platão
A ruptura: a alma arrancada à casa
O feminismo de Platão
“A mulher não é nem uma nem duas”
Agradecimentos



O AUTOR:

FERNANDO BELO: ¶ Até aos 40 anos. Duas licenciaturas, em engenharia civil (IST, 1956) e teologia (Paris, 1968), com 12 anos de clérigo entre elas, tendo tido um maravilhoso professor de filosofia, o P. Honorato Rosa. Esta época saldou-se com a publicação de Lecture matérialiste de l’évangile de Marc. Récit, pratique, idéologie (1974), trad. castelhana, alemã e americana, articulando uma leitura textual da narrativa (R. Barthes) à estrutura social da Palestina da época (Althusser, Bataille), no contexto do estruturalismo francês, aliança da filosofia com ciências sociais e humanas. ¶ Após os 40 anos. O livro, em tempos de revolução, abriu as portas do departamento de Filosofia da Faculdade de Letras de Lisboa (1975-2003), docente de Filosofia da linguagem e doutorado com tese sobre epistemologia da semântica saussuriana, (1989). Da Linguística às outras Ciências, esse ensino saldou-se pela publicação de Le Jeu des Sciences avec Heidegger et Derrida, (2 vol. 2007), entre outros livros, como Heidegger, pensador da Terra (2012), Seja um texto de paixão Onde se mostra que sem a Filosofia não haveria Europa e dos blogues Filosofia com Ciências (textos de fundo) e Filosofia mais Ciências 2 (textos de ocasião).

Detalhes:

Ano: 2018
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 202
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-793-2
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
23/02/2019
MUNDO(S) – Livro 3, com coord. literária de Ângelo Rodrigues
LANÇAMENTO: dia 23 (sábado) de fevereiro de 2019, pelas 16:30 horas, na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa

23/02/2019
DIOGO TAVARES DE ATAÍDE, da autoria de Daniel Santana
APRESENTAÇÃO: Dia 23 de Fevereiro de 2019 (sábado), às 18h00, no Museu Municipal de Faro

16/02/2019
SEM CHÃO, Romance da autoria de João Mário Caldeira
APRESENTAÇÃO: dia 16 de fevereiro, na Biblioteca de Serpa

02/02/2019
MARCAS DA VIDA, da autoria de Josefina Almeida
LANÇAMENTO: Dia 02 de Fevereiro de 2019 (sábado) às 15h30, na Livraria e Papelaria Fonsecas, em Lisboa. Apresentação – Lisete Matos

26/01/2019
LOURENÇO MARQUES, da autoria de Nuno Roque da Silveira
APRESENTAÇÃO: 26 de Janeiro de 2019, às 15h30, no Barreiro. Apresentação – Dr. Jorge Fagundes

20/01/2019
(IN)JUSTIÇA GLOBAL, da autoria de Cristóvão Pereira e Maria da Glória Fraga
LANÇAMENTO: Dia 20 de Janeiro de 2018 (Domingo), às 16h00, no Hotel Júpiter, em Lisboa. Apresentação: Prof.ª Doutora Maria Teresa Lopes Pereira e Dr. Saraiva Matias

19/01/2019
POESIA {DAS CIRCUNSTÂNCIAS} DO TEMPO, da autoria de Luís Pais Amante
LANÇAMENTO: Dia 19 de Janeiro de 2019 (sáb.) às 15h00, Auditório do Centro Cultural de Penacova. Apresentação – Dr.ª Maria Fernanda Alexandre

19/01/2019
MULHERES (DE) CORAGEM, da autoria de Maria do Céu Pires
APRESENTAÇÃO: dia 19 de Janeiro de 2019 (sábado), às 16h00, na Biblioteca Municipal de Portalegre. Apresentação: Dr. António Martinó

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99