Memórias de uma Falsificadora (2.ª ed.)

A Luta na Clandestinidade pela Liberdade em Portugal




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Éramos jovens e queríamos um mundo melhor, num Portugal onde grassava a miséria, dominado por um pequeno grupo de grandes financeiros, monopolistas e latifundiários. Éramos jovens e queríamos a liberdade, pois abafávamos num Portugal dominado por todos os medos: a censura omnipresente cortava notícias dos jornais, impedia peças de teatro, proibia a publicação de livros pela grelha estreita de um index tão feroz quanto o da velha Inquisição; a polícia política era uma sinistra aranha que, desde o covil das torturas na rua António Maria Cardoso em Lisboa e na rua do Heroísmo, no Porto, estendia a sua teia pelas cidades e aldeias, pelas fábricas e empresas, as escolas e os quarteis, alargando-se por uma rede de informadores e bufos que eram os seus olhos e ouvidos: a PIDE podia prender, torturar e matar impunemente e tinha ainda uma outra arma mais discreta e não menos eficaz, tirar o pão ao adversário. ¶ A muitos pode parecer longínquo e estrangeiro esse país em que eles – resistentes clandestinos e não clandestinos, militantes e “amigos” – tiveram que viver, e no qual escolheram lutar em condições que hoje nenhum de nós tem de suportar. “O passado é um país estrangeiro”, escreveu L. P. Hartley, numa frase frequentemente citada a propósito da crescente incapacidade das sucessivas gerações em inscrever o passado nas suas vidas – e sobretudo os passados que, como os dos resistentes clandestinos comunistas, dificilmente encaixam nas narrativas hegemónicas sobre a origem da democracia, e sobretudo sobre como se a defende e pratica. Para que esse passado seja inscrito nas nossas vidas, não temos outro remédio senão o de nos empenharmos na luta pela memória da resistência. (…) Neste caso, Margarida Tengarrinha procura resgatar do esquecimento e homenagear as “pessoas que, com maior ou menor relevo, conduziram e estiveram no topo de momentos capitais da vida política, ou participaram neles de forma anónima, obscura, sem deixar os nomes gravados na história, mas cuja ação foi fundamental no derrubamento do fascismo”. ¶¶ Do Prefácio de Manuel Loff

Índice:

Explicação necessária

O convite

Uma proposta inesperada e a grande desilusão

O desafio à capacidade de improvisar

O primeiro grande choque

Aprender a viver na clandestinidade

As casas clandestinas e as tipografias

Dificuldades de adaptação e apelo à imaginação

O conforto da amizade num luto partilhado

Uma criança na clandestinidade

Filhos da clandestinidade

Novas tarefas, mais especialização

A Voz das Camaradas das Casas do Partido

A documentação dos fugitivos

Presos que fogem não aceitam grades

Passagem de testemunho

O fascismo abalado intensifica a repressão

A morte saíu à rua num dia assim...

Artista militante, militante revolucionário

O regresso à estaca zero

O meu contacto com a arte e a música na URSS

Para lá dos Urais

Do circuito fechado da RPL à fuga pela arte

Campanhas vitoriosas

O livro “A Resistência em Portugal” e a campanha de solidariedade internacional

Maria Lamas, uma cidadã do Mundo

Mulheres denunciam crimes da repressão

Fronteiras a salto

Uma falsificação de alto risco

Solidariedade com o povo argelino

Quarenta mil pessoas contra a carestia da vida e as guerras coloniais

A força ignorada de mães, pais e avós

Amigos dos tempos difíceis

Reflexão final



AUTORA:

Margarida Tengarrinha nasceu em Portimão, em 7 de Maio de 1928. Iniciou a sua atividade política organizada em 1948, integrada no MUD Juvenil, na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa (ESBAL). Em meados de 1952 foi expulsa da ESBAL, proibida de frequentar todas as Faculdades do país e impedida de lecionar na Escola Preparatória Paula Vicente, onde era professora, pela sua ativa participação na luta pela Paz, pelo desarmamento atómico e contra a reunião ministerial da NATO em Lisboa. Nesse ano tornou-se militante do PCP. Em 1955 passou à militância clandestina do PCP com o seu companheiro José Dias Coelho, que foi assassinado a tiro pela PIDE em 19 de Dezembro de 1961. De 1962 a 1968 trabalhou com Álvaro Cunhal e depois como redatora da Rádio Portugal Livre. Depois do 25 de Abril foi membro do Comité Central do PCP e deputada do PCP pelo Algarve. Em 2016 recebeu o Prémio Maria Veleda da Direção Regional de Cultura do Algarve. Continua a ser Professora de História de Arte na Universidade Sénior de Portimão.

Detalhes:

Ano: 2018
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 188
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-741-3
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
12/12/2018
POESIA {DAS CIRCUNSTÂNCIAS} DO TEMPO, da autoria de Luís Pais Amante
PRÉ-LANÇAMENTO: Dia 12 de Dezembro de 2018 (4.ª feira), às 17h00, na Igreja de Santa Isabel, em Lisboa. Apresentação: D. Ricardo Correia Afonso

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99