A Noite Submarina

Poesia, Natureza e Espiritualidade em Albano Martins




Recomendar livro a um amigo
Autoria: António Fournier

Sinopse:

Desde sempre caracterizada por uma limpidez ática e solar, valorizando o prazer sensorial e o erotismo, a poesia albaniana é atravessada por uma felicidade perlocutória à qual o leitor não consegue ficar indiferente. Essencial e expressivo como poucos, o ideolecto albaniano aspira sempre a coagular numa única «pupila de um verso» a pulsão irrefreável de um corpo vivo como cintilação da beleza dessa mesma vida. Daí resulta uma poesia-bonsai alimentada por uma autêntica oficina vegetal que produz fulgurantes metáforas botânicas, quer como expressão de uma clara predilecção pelo natural (e espontâneo) em detrimento do cultural (e retórico), quer como aspiração a uma relação simbiótica entre Homem e Natureza. Autêntico hino à matéria do tempo de que somos feitos, a poesia de Albano Martins é um canto simultaneamente anacrónico e actual, denso e leve, erótico e espiritual, eufórico e elegíaco, singelo e requintado daquele que é o poeta cósmico-erótico, por excelência, de toda a poesia portuguesa contemporânea. [ANTÓNIO FOURNIER] ******************************************************* «Podemos falar, por conseguinte, de uma poesia matérica, radicada na compreensão do vivido. Uma poesia feita não de emoções mas de experiência, que fala do nosso estar poeticamente no mundo, segundo a lição de Hölderlin. Recusando qualquer dimensão transcendental ou metafísica, os poemas de Albano Martins são um hino à materialidade, um canto do corpo, das coisas, da natureza: fontes, algas, pássaros, árvores, uma cosmogonia vital. Duas cores predominam nesta “poética do sensível”, para as quais aludem, de resto, os títulos dos livros A Margem do Azul e Escrito a Vermelho: por um lado, o azul onírico, território das aspirações humanas (...). Por outro lado, o encarnado ou vermelho-sangue, seiva vital dos homens (...). Atravessado por estas duas extremidades do espectro cromático, está o Homem, na sua dupla dimensão espiritual e animal, qual antena vegetal a ligar o Cosmos a valores universais como o amor, a ternura, a lealdade, o erotismo. Poesia, portanto, como testemunho de vida e testamento espiritual.»

Índice:

1. O sonho de uma sombra: o estado poético do espírito em Albano Martins

2. O poema fractal: Albano Martins e o entendimento da poesia

3. Quando traduzes/ o amor, tu sabes/ que é já outro o seu nome: Albano Martins e a tradução poética

4. Quebrar o gelo: Albano Martins e a tradução como antologia

5. Castália e outros poemas: beber da fonte

6. Biografia de Albano Martins

7. Bibliografia de Albano Martins



AUTOR:

António Fournier professor universitário, ensaísta, crítico literário, tradutor. Vive desde 1996 em Itália onde se especializou em Linguística textual e tradução literária na Universidade de Pisa (2000) e se doutorou em Literatura portuguesa com a tese «A bulimia do Belo: para uma cartografia literária de Itália na literatura portuguesa» na Universidade de Bari (2007). Ensina desde 2006 Língua e tradução portuguesa e brasileira na Universidade de Turim, tendo ensinado anteriormente nas universidades de Pisa (2002-2006) e de Milão (2003-2004) bem como na Escola Superior de Línguas Modernas para Tradutores e Intérpretes de Trieste (2000-2001). Foi ainda leitor de língua e cultura portuguesa pelo Instituto Camões na Universidade de Pisa (1996-2002) e assistente confirmado de Introdução aos estudos literários, Literatura portuguesa e Literaturas africanas de expressão portuguesa na Universidade da Madeira (1994-1996). É autor do livro A bulimia do Belo – para uma cartografia literária de Itália no século XX (2018). Organizou e prefaciou várias colectâneas de poesia portuguesa em Itália, nomeadamente Albano Martins, Scritto in rosso (2010), Al Berto, L’angelo muto (2011), João Rui de Sousa, Respirare attraverso l’acqua (2014) e Gastão Cruz, Musica del tempo (2016). É co-director da revista luso-italiana de estudos comparados Submarino que dedicou os dois primeiros números, respectivamente, à recepção de Pessoa em Itália e de Pavese em Portugal, estando presentemente a preparar o próximo que será dedicado a Herberto Helder.

Detalhes:

Ano: 2018
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 82
Formato: 22,5x15,5
ISBN: 978-989-689-763-5
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
23/11/2019
ROSÁLIA – A menina Exposta da Roda, da autoria de Florbela Teixeira
LANÇAMENTO: dia 23 de Novembro de 2019 (sábado), das 16h00 às 18h00, na Biblioteca Municipal de Palmela

20/11/2019
A ILHA É UMA LUPA, da autoria de Maria José Nazaré
LANÇAMENTO: dia 20 de Novembro (4.ª feira) às 18h30, no Espaço UCCLA, em Lisboa

16/11/2019
CASTELO DE VIDE – História e Sociedade (1906 a 1951), da autoria de Mateus da Cruz Maniés (†)
LANÇAMENTO: dia 16 de Novembro (sáb.) às 16h00, na Fundação Nossa Senhora da Esperança, em Castelo de Vide. Apresentação: Professor Doutor Francisco Sepúlveda Teixeira

14/11/2019
TEXTO E(M) LINGUÍSTICA, da autoria de Antónia Coutinho
LANÇAMENTO: dia 14 de Novembro (5.ª feira) às 18h30, na NOVA FCSH, em Lisboa

14/11/2019
KOSOVO – A Incoerência de uma Independência Inédita, da autoria de Raul Cunha
APRESENTAÇÃO: dia 14 de Novembro de 2019 (5.ª feira), às 17h00, no Comando do Pessoal do Exército, no Porto. Apresentação MGen Carlos Branco

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99