Saberes Nómadas

Conhecimento, Património e Valores Sociais




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Eduardo Esperança

Sinopse:

Saberes nómadas foi a expressão que me ocorreu para nomear este trabalho muito depois dele se ter chamado “migrações do saber”. Na altura, e após um sério trabalho em volta do Património, Valores e seus condicionamentos, a navegação das leituras no intervalo das aulas empurrava-me para duas galáxias que se fertilizavam e podia ir observando com algum fascínio; o início da expansão da internet e dos conteúdos online e, ao mesmo tempo, como resultado, o sonho Borgeano tornado realidade do nascimento da grande biblioteca global. Esse sonho concretizado arrastava com ele algumas temáticas inadiáveis e que me atravessavam o espírito todos os dias sempre que me sentava ao computador e acedia a essa “biblioteca”. Isto explica um pouco estas duas vertentes que parecem, mas não são paralelas: de um lado o pensar a Cultura e a Memória, ao mesmo tempo como grandes objectos sociológicos, com todos os factores e vertentes que nos explodem na cara com a introdução de novos gadgets e modos de pensar mobilizados pelo objecto concreto como pelo software que o energiza. Por outro lado, ensaiar alguma capacidade de recuo e análise dos substratos que podem ainda suportar os quotidianos da vida no espaço público, como aquilo que ainda podemos nomear como reserva de conhecimento que se vai disseminando com a ajuda da rede um pouco por todo o lado. ******************************************************** Hoje, a relação com os objectos, a constituição dos sujeitos, etc, encontra essencialmente duas sociologias: as condições da experiência contemporânea reduzem os objectos existentes ao número dos que se mostram e aparecem ou evoluem no espaço público. Estes são os objectos que observo – essas duas sociologias. Uma delas é a ciência dos livros de texto, dos manuais e sebentas, que se estabiliza a dois níveis: nos livros e no estudo (dos que são estudados) e se actualizam na escola no modo como são trazidas ao presente e à percepção. A outra ciência técnica é a dita profissional, supostamente aplicada e abusada, que envolve, por exemplo, as sondagens, as estatísticas, os levantamentos e os estudos exploratórios, etc, com os quais vão, por exemplo, os sociólogos fazendo pela vida. (...) Na Idade Média era Deus, ou melhor, os seus agentes na terra. Era uma experiência unificada (por Deus) e calma, que em parte do Alentejo ainda tem a felicidade de viver. Tudo isto até que um “herege” chamado Gutemberg inventou a imprensa e estragou tudo: inventou a imprensa, inventou os pro¬testantes, inventou os iluministas, as indul¬gências baratas. Inventou o que mais tarde se veio a chamar a fragmentação da experiência – fragmentação por campos de acção mas, especialmente, fragmentação por campos de legitimação dos saberes. Ora, os campos de le-gitimação dos saberes, são precisamente o es¬paço cada vez mais virtual onde se decide a se actualiza o que está direito e o que está torto.

Índice:

Apresentação

Saberes Nómadas e modelos de legitimação do conhecimento

O mapeamento possível no mundo dos possíveis

A Pesquisa e o Problema da Representação

Representar os novos lugares

Investigar a Experiência Social

Memória e substâncias do Património – arquivar imagens em movimento

O Património intangível e os dilemas em volta de clássicos e novos modelos de preservação

Objectos de Memória

Objectos Indutores e Formação do Valor – o caso Foz Côa


AUTOR:

EDUARDO JORGE ESPERANÇA é Professor no Departamento de Sociologia da Universidade de Évora e investigador no cic.digital e cics.nova.uevora. Lecciona, entre outras, Sociologia da Comunicação e dos Media, Sociologia da Cultura, Sociologia do Património Cultural, Epistemologia das Ciências Sociais, e Sociologia da Técnica.

Detalhes:

Ano: 2017
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 190
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-726-0
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
01/09/2018
COMENDA COM GENTE – Fotobiografia de uma Aldeia Alentejana; da autoria de Jorge Branco
APRESENTAÇÃO: dia 01 de Setembro (sáb.), às 15h00, no Salão Paroquial e Comunitário da Comenda. Apresentação: Dr. Silvestre Lacerda (Director do Arquivo Nacional da Torre do Tombo)

13/07/2018
A DIMENSÃO TEATRAL DO AUTO DA FÉ, da autoria de Bruno Schiappa
LANÇAMENTO: dia 13 de Julho de 2018 (6.ª feira), às 18h00, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Apresentação: Prof.ª Doutora Isabel Drumond Braga e Prof.ª Doutora Maria João Almeida

30/06/2018
ECLÉTICA – IV, Coordenação literária de Ângelo Rodrigues e Célia Cadete
LANÇAMENTO: dia 30 de junho (sáb.) de 2018 às 16h30, na Sociedade Nacional de Belas Artes – SNBA; em Lisboa

27/06/2018
COMENDA COM GENTE. Fotobiografia de uma Aldeia Alentejana, da autoria de Jorge Branco
LANÇAMENTO: dia 27 de Junho (4.ª feira), às 18h00 (após Plenário), Assembleia da República, em Lisboa. Apresentação: Deputado José Luís Ferreira

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99