Rethinking Postcolonialism

Rutura, Transgressão e Transformação nas Literaturas Lusófonas de África




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Esta coletânea de artigos é o resultado do trabalho da secção “Rethinking Postcolonialism. Rutura, transgressão e transformação nas literaturas lusófonas de África” do 11º Congresso de Lusitanistas Alemães realizado em Aachen em 2015, e propõe-se analisar e discutir as mudanças sociais, económicas e políticas em África assim como fazer uma reflexão sobre a África pós-colonial nas literaturas lusófonas africanas de Moçambique, Angola e Guiné-Bissau. ********************************************************* A literatura pós-colonial segundo Ashcroft/Griffiths/Tiffin pode, por um lado, ser definida como um corpus literário, vindo das ex-colónias dos países europeus e tendo a sua origem temporal na independência formal das colónias e em oposição manifesta à literatura denominada colonial; por outro lado, representa uma categoria que ajudaria a superar outras classificações literárias. Os autores afirmam que classificações terminológicas como ‘Commonwealth literature’, ‘African literature’, ‘Caribbean literature’ e ‘Black writing’ se formam com base em categorias racistas, topográficas e político-históricas. É por isso que preferem a designação literatura pós-colonial para incluir os diferentes aspetos. O ponto principal dos conteúdos e temas, e o predominante caráter formal desta literatura, consiste no seu carácter híbrido-sincrético. Relativamente a uma perspetiva psicológica e sociopolítica cabe à literatura, no processo de descolonização, uma função pedagógica, na medida em que procura importantes momentos ou elementos autoctónes das culturas pré-coloniais que, contudo, têm de ser considerados em muitos casos como construídos (cf. Hobsbawm/ Ranger 2015) [da Introdução]

Índice:

1. Rethinking Postcolonialism: teorias pós-coloniais em debate

Em lugar de uma introdução: Perspetivas teóricas e abordagens
literárias
Martin Neumann, Marita Rainsborough

Estudos pós-coloniais: algumas notas para um percurso teórico
Ana Mafalda Leite


2. Reinterpretações e revisões: encenações literárias de identidade e memória (Angola)

Identidade e destruição da identidade: Sobre a representação das estruturas coloniais no romance Terra Morta de Castro Soromenho
Barbara Mesquita

Fantasias do império, utopias da libertação: de Mayombe a Jornada
de África e os tensos meandros da pós-colonialidade
Inocência Mata

Faces da história, faces da memória: Nação e identidade num romance de José Eduardo Agualusa
Fernanda Gil Costa


3. História e tradição: retrospetivas pós-coloniais (Moçambique e Guiné-Bissau)

Compreender o discurso colonial em Muende à luz da teoria pós-colonial
Agostinho Matias Goenha

Guiné Bissau – os caminhos da liberdade e democracia. Do êxito retumbante ao fracasso
António Soares Lopes (Tony Tcheka)

Do trauma ao testemunho. Tony Tcheka: Desesperança no chão de medo e dor
Moema Parente Augel

Tradição vs modernidade na Guiné-Bissau? O jogo de instrução, género e poder em A escola de Domingas Barbosa Mendes Samy
Martin Neumann


4. Interligações culturais nas literaturas lusófonas de África

A estética do entremeio. Interculturalidade e transculturalidade na literatura de Paulina Chiziane
Marita Rainsborough

O doce cheiro da liberdade? Angola e a perestroika em Travessia por imagem de Manuel Rui
Isabel Francisco

Detalhes:

Ano: 2017
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 174
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-674-4
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
09/09/2018
GRANDE GUERRA 1914-1918, da autoria de Ana Maria Paiva Morão
LANÇAMENTO: dia 09 de Setembro (dom.), às 11h00, na Casa do Povo de Montalvão

08/09/2018
O MILAGRE DAS ABELHAS – Pela nossa Saúde, de Paula Branco
APRESENTAÇÃO: Dia 08 de Setembro de 2018 (sáb.), às 11h00, no "Festival do Mel", em Loures

02/09/2018
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Encerramos para férias entre 1 de Agosto e 2 de Setembro, por isso não podemos satisfazer quaisquer encomendas. A partir de 3 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

01/09/2018
COMENDA COM GENTE – Fotobiografia de uma Aldeia Alentejana, da autoria de Jorge Branco
APRESENTAÇÃO: dia 01 de Setembro (sáb.), às 15h00, no Salão Paroquial e Comunitário da Comenda. Apresentação: Dr. Silvestre Lacerda (Director do Arquivo Nacional da Torre do Tombo)

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99