Lições em Poesia

O A.B.C. de Cordel no Brasil: Um Abc Poético em Folheto




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

O que são estes ABCs que “na boca do povo” podiam designar qualquer obra rimada? E também se referiam às cartilhas de ABC (alfabeto e silabário) usadas na aprendizagem da leitura em aulas de instrução primária. De facto, ao longo do tempo, todo e qualquer texto (pedagógico, literário, jurídico) estruturado pelo alfabeto chamou-se Abecê, abecedê, alfabeto, ABC, abecedário. Mas enfim, o que são estes ABC de cordel? Estas singulares obras poéticas didácticas descritivas, enumerativas e até narrativas, cujas estrofes seguem a ordem do alfabeto? Como é que estas lições poéticas, estas louvações cantadas em lugares públicos e impressas em folhetos, chegaram ao Brasil? Qual é a sua função social? Quais são as tradições literárias e heranças culturais expressas de cada vez que a voz pronuncia o poema numa performance única e pessoal? Nestas páginas, o leitor poderá, num primeiro tempo, compreender como a tradição formal e temática dos ABC poéticos (acrósticos alfabéticos) que, ao serem impressos no contexto da literatura de cordel, se chamam em Portugal e no Brasil, ABC de cordel, contam a história dos textos orais e dos textos escritos. Conhecendo os elementos constitutivos desta forma poética tradicional mnemónica (estrofes, imagens, ritmos, formas orais tradicionais, tais como os discursos directos, provérbios, citações…) e o dinamismo da sua estrutura alfabética, o leitor terá “de A a Z” as chaves que o auxiliarão na leitura em voz alta ou silenciosa dos textos reunidos na Antologia de ABC poéticos (segunda parte). Para futuras investigações, um catálogo de referências foi constituído. Ele fecha temporariamente a viagem no tempo da poesia acróstica apresentada nesta obra.

Índice:

I – O Abc poético: uma forma poética tradicional
I.1. A «estética alfabética»
I.1.1. A função enumerativa do alfabeto
I.1.2. A função associativa do alfabeto
I.1.3. A função anunciadora do alfabeto
I.1.4. Estrofes ‘preambulares’ e conclusivas

I.2. «Alfa-verbaliser le monde»: lições em alfabeto
I.2.1. Escrita e oralidade: o ritmo do alfabeto
I.2.2. «Até fizeram um Abc!»

I.3. O Abc poético no Brasil
I.3.1. De «A a Til»: o Abc poético na literatura oral
I.3.2. De «A a Z»: o A.B.C. de cordel

Obras citadas

Bibliografia

II – Uma Antologia de Abc poéticos
II.1. Abc poéticos em latim (manuscritos)
II.2. Abc poéticos em língua vernácula (manuscritos)
II.3. Abc poéticos em língua vernácula (publicados)
II.4. Abc poéticos em língua vernácula coletados da tradição oral (publicados)

II.5. Abc poéticos publicados na literatura de cordel portuguesa e brasileira (antologias e folhetos)

Fontes

III – Um Catálogo de Abc poéticos
III.1. Abc poéticos em latim (manuscritos)
III.2. Abc poéticos em língua vernácula (manuscritos)
III.3. Abc poéticos em língua vernácula (publicados)

III.4. Abc poéticos em língua vernácula coletados da tradição oral (publicados)
III.5. Abc poéticos em língua vernácula publicados na literatura de cordel (antologias e folhetos)

Fontes

IV – Anexos



A AUTORA:

Véronique Le Dü da Silva-Semik é investigadora do Instituto de Estudos de Literatura Tradicional (IELT) em Lisboa e do Centre de Recherche Interdisciplinaire du monde Lusophone (CRILUS) em Paris. Doutorada em Línguas e Literaturas românicas lecionou na Universidade de Paris Ouest Nanterre La Défense e na Universidade de Provence (Aix-Marseille). Especialista no estudo das formas tradicionais mnemónicas na tradição oral e na literatura de cordel portuguesa e brasileira. Atualmente é bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e dedica-se aos manuais de cartas de amor (epistolografia) publicados no fim do século XIX e começo do século XX em Portugal.

Detalhes:

Ano: 2012
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 386
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-203-6
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
01/03/2018
MEMÓRIAS DE UMA FALSIFICADORA – A Luta na Clandestinidade pela Liberdade de Portugal, de Margarida Tengarrinha,
LANÇAMENTO: Dia 1 de Março de 2018 (5.ª feira), às 18h00, nos Arquivo Nacional / Torre do Tombo, em Lisboa

31/01/2018
ARQUIPATOLOGIA, de Filipe Montalto
LANÇAMENTO: Dia 31 de Janeiro de 2018 (4.ª feira), às 18h00, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Apresentação: António Barbosa (Fac. de Medicina - UL) e Luís Manuel Bernardo (FCSH-UNL)

20/01/2018
A MÚSICA NO CONVENTO DE CRISTO EM TOMAR e PEÇAS DE UM MOSAICO
LANÇAMENTO: 20 de fevereiro (sáb.), às 21h00, no Palácio Nacional de Queluz

20/01/2018
A GÉNESE DO MUSEU DO NEO-REALISMO, da autoria de Joana Lima
APRESENTAÇÃO: dia 20 de Janeiro, Sábado, às 15h00, no Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira. Apresentação: Prof.ª Doutora Luísa Tiago e Oliveira

20/01/2018
REFUGIADOS DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NAS CALDAS DA RAINHA, de Carolina Henriques Pereira
LANÇAMENTO: 20 de Janeiro (sáb.), às 15h30, no Centro Cultural das Caldas da Rainha. Apresentação: Prof.ª Doutora Irene Vaquinhas

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99