A Narrativa no Movimento Neo-Realista

As Vozes Sociais e os Universos da Ficção




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Vítor Viçoso
Colaboração com a entidade: Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

16,00 €
detalhes do preço

Stock: esgotado


Sinopse:

Este estudo é uma problematização da função estético-ideológica do Neo-Realismo, num contexto sociocultural e político específico, tendo em conta que as obras deste movimento, para lá da sua qualidade estética, são um documento, no plano do imaginário social associado a uma cultura da “resistência” à ditadura, imprescindível para o estudo da nossa História contemporânea. Através da análise textual, é também um contributo para uma história da narrativa social portuguesa, desde a década de 30 à de 70 do século XX. * * * * * * * * * * * * Se toda a literatura é obviamente um acto cultural, podemos dizer que no caso do Neo-Realismo, por vezes, a concepção cultural, convenientemente codificada, se sobrepôs à própria especificidade da estética literária. E como todas as generalizações são abusivas, convém realçar que, apesar dos imperativos ideológicos, a prática estética de alguns dos seus autores revelou uma capacidade singular de fazer coexistir a comunhão ideológica e a idiossincrasia estética, tal foi o caso de Carlos de Oliveira, Alves Redol, Mário Dionísio, Soeiro Pereira Gomes, Manuel da Fonseca e Fernando Namora, entre outros.

Índice:

Introdução
I. A tragédia do mundo e o Neo-Realismo
1. O realismo socialista soviético e o Neo-Realismo português
2. A esteticização da política e a politização da estética
2.1. Do bloqueamento ao caminho
2.2. A dialéctica entre a forma e o conteúdo
2.3. A metáfora especular no Realismo e no Neo-Realismo
2.4. O realismo etnográfico de Alves Redol e a mimese do outro social
2.5. A doação de uma voz cultural a um novo destinatário social
2.6. A representação estética do povo e um novo tipo de intelectual
2.7. A ruptura com a cenografia bucólica nas narrativas rurais neo-realistas
2.8. A intersecção entre a cultura popular e a erudita
3. As relações do Neo-Realismo com o 1º e o 2º Modernismos
4. Uma polémica interior ao movimento: “a ponte abstracta”
5. O realismo social de Ferreira de Castro: o trânsito entre o Naturalismo e o Neo-Realismo

II. Os universos da ficção neo-realista
1. Os romances da juvenília neo-realista coimbrã: Fernando Namora e Vergílio Ferreira
2. As narrativas de temática rural: a semântica dos “alugados”, da fome e da rebeldia
2.1. Textos precursores da narrativa rural neo-realista
2.2. O realismo “etnográfico”, o épico e o lirismo telúrico em Alves Redol
2.3. A tragédia rural em Afonso Ribeiro
2.4. O lugar e a errância na obra de Manuel da Fonseca
2.5. Os conflitos sociais no espaço aldeão em Vergílio Ferreira
2.6. O real e as sombras na ficção de Mário Braga
2.7. O ciclo rural de Fernando Namora
2.8. As histórias alentejanas de Antunes da Silva
2.9. O tema da adolescência provinciana em Marmelo e Silva
2.10. O romance policial e a luta de classes em Jorge Reis
3. O halo e o espelho em Carlos de Oliveira
4. As narrativas de temática urbana
4.1. Histórias de operários e do lumpemproletariado
4.1.1. O épico-lírico na obra de Soeiro Pereira Gomes
4.1.2. Alves Redol e o operariado de Lisboa
4.1.3. Romeu Correia: o escritor da margem esquerda
4.1.4. “O Acidente” de José Rodrigues Miguéis: a construção da metáfora social
4.1.5. Júlio Graça: um olhar documental sobre o operariado alhandrense
4.1.6. A paisagem rural e a industrial em Manuel Ferreira
4.1.7. A epopeia dos mineiros em Manuel do Nascimento e Fernando Namora
4.1.8. Vicente Campinas: histórias de contrabando
4.2. Histórias de burgueses: Assis Esperança, Tomaz Ribas e Orlando Gonçalves
4.3. O ciclo urbano de Fernando Namora
4.4. Os bairros populares de Lisboa: Leão Penedo e Aleixo Ribeiro
4.5. A Lisboa dos contadores de histórias: Alexandre Cabral, Manuel Mendes, Mário Dionísio e José Gomes Ferreira
4.6. Os vagabundos na cidade: Joaquim Namorado, Leão Penedo e Mário Braga
5. Histórias de mulheres: Manuel do Nascimento, Leão Penedo e Faure da Rosa
6. Histórias de mulheres contadas por mulheres: Irene Lisboa, Manuela Porto, Maria Archer e Maria Lamas
7. As narrativas da luta clandestina: Mário Dionísio, Soeiro Pereira Gomes, Manuel Tiago, Mário Braga e Manuel da Fonseca
8. Histórias de emigração e exílio: Alves Redol, Joaquim Lagoeiro José Rodrigues Miguéis e Ilse Losa
9. Histórias coloniais: Manuel Ferreira, Castro Soromenho, Alexandre Cabral e Orlando da Costa
10. Sidónio Muralha: uma fábula anti-imperialista

III. Os herdeiros e os nostálgicos do Neo-Realismo
1. José Cardoso Pires: histórias de proveito e exemplo
2. Urbano Tavares Rodrigues: uma nova articulação entre o eu-individual e o eu-social
3. Augusto Abelaira (1959-1978): os heróis fracassados, o bolor e o tempo da espera
4. Baptista-Bastos: as palavras censuradas
5. Mário Ventura: do herói positivo ao herói problemático
6. Álvaro Guerra: uma alegoria do poder fundiário e do seu crepúsculo
7. José Saramago: dos homens levantados à ocupação do “Livro do Latifúndio”

IV. Como se fosse um epílogo



O AUTOR:
Vítor Viçoso (Lisboa, 1943) é professor aposentado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde se doutorou em Literatura Portuguesa (1989). Para além de ensaios sobre Raul Brandão, Carlos de Oliveira e José Saramago, dos quais destacamos A Máscara e o Sonho – Vozes, Imagens e Símbolos na Ficção de Raul Brandão, publicou artigos sobre temas e autores do Romantismo, do Simbolismo e do Neo-Realismo. É actualmente director da revista Nova Síntese – Textos e Contextos do Neo-Realismo.

Detalhes:

Ano: 2011
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 354
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-146-6
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
18/11/2017
ANGOLA – O 4 de Fevereiro de 1961 em Luanda e Outras Memórias, da autoria de César Gomes
LANÇAMENTO: dia 18 de Novembro de 2017 (sábado), às 15h30, Auditório do Hotel Solverde, Granja (Espinho)

11/11/2017
PSICANÁLISE. SUJEITO E OBJECTO NA CURA ANALÍTICA, da autoria de Orlando Fialho
LANÇAMENTO: Dia 11 de Novembro de 2017 (Sábado), às 18h15, Hotel Holiday Inn Continental, Lisboa. Apresentação: Dr.ª Manuela Harthley

01/11/2017
A ORGANIZAÇÃO ARQUIVÍSTICA – O Fundo "Administração do Concelho de Torres Vedras", de Suzete Lemos Marques
LANÇAMENTO: dia 1 de novembro (4.ª feira), às 16h00, em Torres Vedras. Apresentação: Prof. Doutor Carlos Guardado da Silva

25/10/2017
DIPLOMACIA PENINSULAR E OPERAÇÕES SECRETAS NA GUERRA COLONIAL, da autoria de María José Tíscar
APRESENTAÇÃO: Dia 25 de Outubro de 2017 (4.ª feira), às 18h30 no Instituto Cervantes, em Lisboa. Apresentação de José Manuel Duarte de Jesus (Embaixador Jubilado)

24/10/2017
A PIDE NO XADREZ AFRICANO – Angola | Zaire | Guiné | Moçambique, da autoria de María José Tíscar
LANÇAMENTO: Dia 24 de Outubro de 2017 (3.ª feira), às 18h00, na Comissão Portuguesa de História Militar, em lisboa

21/10/2017
VINTE MIL LÉGUAS DE PALAVRAS, da autoria de Luís Cunha
LANÇAMENTO: Dia 21 de Outubro de 2017 (sábado), às 16h00, na Biblioteca Municipal Manuel da Fonseca, em Santiago do Cacém

20/10/2017
ELITES E EDUCAÇÃO. Évora e o Liceu. As Escolas e os Estudantes – Da Monarquia Constitucional ao Estado Novo, de Fernando Luís Gameiro
LANÇAMENTO: Dia 20 de Outubro de 2017 (6.ª feira), às 17h30, na Pousada Convento dos Lóios, em Évora

19/10/2017
JOÃO INOCÊNCIO CAMACHO DE FREITAS, da autoria de João Abel de Freitas
APRESENTAÇÃO: Dia 19 de Outubro de 2017 (5.ª feira), às 18h30, no Restaurante da Ordem dos Engenheiros, em Lisboa. Apresentação do Comandante Carlos de Almada Contreiras

19/10/2017
NEM TUDO ACONTECE POR ACASO, de Manuel do Nascimento
LANÇAMENTO: dia 19 de Outubro (5.ª feira), às 18h30, no Consulado-Geral de Portugal em Paris, França

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99